Consideradas um elemento imprescindível em qualquer plano de treino de corrida, as séries ajudam-nos a melhorar e evoluir. Saiba quais os tipos de séries que existem e como devem ser feitas.

Solução excelente no esforço de evolução que vive qualquer corredor, é preciso ter também noção de que esta é a uma técnica da qual não se deve abusar, ainda que deva ser colocada em prática, pelo menos, uma vez por semana.

No entanto, e porque se trata de um treino muito duro, também é recomendável que as séries sejam introduzidas no plano de treino apenas já numa fase adiantada da evolução e não desde o início, altura em que os corredores devem começar por apostar apenas nas mudanças de ritmo.

LEIA TAMBÉM
Martin Fiz revela um treino de séries de 1.000 metros

Que tipos de séries existem?

Diferenciando-se tradicionalmente pela distância que encerram, as séries podem ser curtas, médias e longas. Com a ajuda dos nossos colegas do site NoCorrasVuela, passamos a explicar:

  • Séries curtas
    Realizadas habitualmente a ritmos muito elevados, praticamente no limite, servem para melhorar a potência aeróbica, a velocidade e a capacidade do corpo resistir à fadiga causada pelo lactato. Isto uma vez que o organismo habitua-se a reciclar a lactação, que é gerada com o treino de intensidade
  • Séries médias
    Variando entre os 500 e os 1.000 metros e sendo realizadas igualmente a um ritmo exigente, acima inclusive dos ritmos de competição, tem como intuito aprimorar a capacidade anaeróbica. São por isso treinos em que a velocidade se mistura com resistência a níveis muito elevados, razão pela qual é fundamental incluí-los em qualquer distância ou tipo de corrida para a qual estejamos a treinar
  • Série longas
    Tradicionalmente com uma distância mínima de 1.500 metros, visam melhorar a capacidade aeróbica e tornar o sistema cardiovascular mais eficiente graças a ritmos rápidos, embora nem sempre mais do que os ritmos na competição. O que se procura aqui não é a velocidade.

Quais os aspectos a tomar em atenção ao fazer séries?

Em primeiro lugar, é preciso tomar cuidado com a tentação da velocidade, um prazer mas também um risco pela facilidade com que nos leva a cometer erros no treino.

Assim, o conselho é que não deixe de respeitar os ritmos, o número de séries e todas as restantes indicações.

Correr muito lento ou muito rápido poderá levar a um desastre dos verdadeiros objetivos do treino, tal como abusar do número de séries, que é a melhor forma de cair no excesso de treino.

Finalmente, descanse o recomendado, nem mais, nem menos, já que as pausas definem os ritmos do treino. Um longo descanso significará um número de séries menor, mas os ritmos mais rápidos.