Correr à chuva

Comprar, de forma correta, as suas próximas sapatilhas de corrida é hoje em dia e quase sempre uma tarefa bem mais difícil do que, à partida, pode parecer. Assim, e conscientes da oferta quase interminável que o mercado disponibiliza, continuamos a mostrar-lhe tudo o que precisa saber para que, ajudado pelos especialistas, escolha as sapatilhas que melhor se adequam a si!

Recorrendo, mais uma vez, ao documento elaborado ainda em 2014 pelo American College of Sports Medicine (ACSM), organismo médico cuja competência é reconhecida mundialmente, continuamos a responder a algumas das questões mais prementes e frequentes, cujas respostas podem ajudá-lo a escolher o melhor, mais seguro e mais confortável calçado para correr.

LEIA TAMBÉM
Sapatilhas de corrida: os segredos para não errar na hora de comprar

Leia atentamente e não se esqueça de levar em linha de conta no momento de escolher as suas próximas sapatilhas de corridas!

  • Como devo fazer no momento de comprar sapatilhas de corrida?
    – Em primeiro lugar, na loja, deve começar por pedir que lhe meçam os pés ainda antes de experimentar qualquer modelo, uma vez que não só pode acontecer que tenha uma diferença mais significativa entre o pé direito e o esquerdo, como, por vezes, a escolha mais adequada poderá não ser o número que sempre calçou, mas o imediatamente acima
    – A forma do pé ou a altura do arco plantar não devem ser tomadas como indicadores para o tipo de sapatilha a comprar
    – Evite comprar calçado com base na opinião de uma pessoa que só o viu a caminhar dentro da loja. Isto porque, tanto a passada como o movimento do pé, são muito diferentes na corrida e na caminhada
    – Tenha sempre presente que todos os corredores rodam, de forma mais ou menos acentuada, o pé para dentro ao correr – a chamada pronação. Trata-se de um movimento natural, seja na marcha ou na corrida, pelo que, à partida, não deve ser encarada como uma caraterística a ter em conta no momento de escolher as sapatilhas. Tentar evitá-la, reduzi-la ou impedi-la com recurso a sapatilhas específicas, em particular naqueles casos em que não é acentuada, pode levar a problemas nos pés e articulações. Sendo que, mesmo quando existe uma pronação mais acentuada, esta pode ser corrigida com fisioterapia ou exercício para fortalecer os pés, pernas e anca
    – Compre os ténis ao final do dia, quando os seus pés estão mais inchados, uma vez que essa estratégia pode ajudar a que não fiquem demasiado justos
    – Certifique-se que as sapatilhas têm espaço suficiente à frente, na zona dianteira dos pés e nos dedos, os quais deve conseguir mover com facilidade. Uma sapatilha demasiado apertada à frente não permitirá a expansão normal dos ossos dos pés durante a corrida, impedindo-os de distribuir as forças, de uma forma segura e estável, durante a fase de carga
    – Deve garantir que tem pelo menos 1 cm de distância entre a ponta dos dedos e o limite da sapatilha, sendo que pode confirmá-lo pressionando o dedo polegar entre o limite do dedo maior do pé e o limite da sapatilha
    – Confirme se as sapatilhas não são demasiado estreitas. Retire as palmilhas das sapatilhas, coloque-as no chão e apoie-se nelas, reparando se o seu pé extravasa as palmilhas para os lados ou para a frente. Se assim for, então, a sapatilha é demasiado estreita
    – Se conseguir correr um pouco dentro da loja com as sapatilhas, confirme que os calcanhares não deslizam dentro destas
correr
  • O que é que devo evitar numas sapatilhas de corrida?
    Amortecimento espesso e alto: um amortecimento suave pode levar os corredores a adoptarem uma biomecânica mais pobre e a assentar o pé com maior impacto do que com sapatilhas com menor amortecimento
    – Sapatilhas com um calcanhar elevado e almofadado e com menor amortecimento à frente (perfil alto ou com drop alto)
    – Suporte extra na zona do arco plantar ou modelos recomendados na loja são, frequentemente, elementos desnecessários. O uso de palmilhas deve ser considerada uma solução temporária, para seis a oito semanas, até que o pé esteja mais forte. De resto, um terapeuta pode ajudar a fortalecer os pés, o suficiente para que não precise de suporte extra
  • Como fazer a transição das sapatilhas velhas para umas novas
    – Tenha em conta que, neste processo, deverá contar com um período de transição durante o qual poderá ser conveniente rodar com os dois pares de sapatilhas
    – Poderá ser importante fazer exercícios de reforço dos pés e anca antes e durante a fase de transição para um novo calçado, já que passar a treinar com um calçado com menor drop pode também exigir adaptação da parte dos músculos da anca e dos glúteos. De resto, e no início, pode mesmo aparecer algum desconforto e rigidez na área dos gémeos durante as primeiras semanas
    – Caso esteja a fazer a transição de umas sapatilhas com drop elevado (10-12 mm) para outras com drop pequeno (4 mm) ou até mesmo com drop zero, considere utilizar uma sapatilha de transição com drop moderado (6-8 mm) durante alguns meses, já que pode ajudar à adaptação. Após este período de adaptação, tornar-se-á certamente mais fácil passar para umas sapatilhas com drop zero

LEIA TAMBÉM
Correr descalço ou com sapatilhas, qual o mais seguro?

  • Qual a melhor altura para trocar de sapatilhas de corrida?
    – A regra geral é que devemos trocar de sapatilhas a cada 600 quilómetros, ainda que não existam estudos científicos que determinem, com precisão, o limite temporal para umas sapatilhas de corrida. Isso depende também dos materiais de fabrico e se se utilizam para algo mais que correr
    – Caso observe algum desgaste anormal que coloque à vista alguma das capas intermédias, então está na altura de mudar de calçado. Até porque um desgaste desigual na sola pode levar a alterações na mecânica da corrida e resultar numa lesão.