Quantas vezes lhe aconteceu já estar a correr e começar a sentir pontadas laterais? Pois bem, e porque essa é uma situação bem mais comum do que possa pensar, revelamos-lhe aqui não somente quais as principais causas deste problema, mas também como a melhor forma de as prevenir.

Também conhecidas na linguagem popular como dor de burro, as pontadas laterais que, por vezes, surgem ao correr, principalmente do lado direito do tronco, podem ter várias causas. A começar na ação de um gás que existe no estômago e que, ao pressionar a área em questão, poderá provocar dor, a qual poderá mesmo afetar o fígado, o tórax e até as costas.

Ximena Muñoz, nutricionista e especialista em Medicina do Desporto na Clínica MEDS, no Chile, recorda que «existem várias teorias a respeito da origem» desta dor.

«Segundo uma dessas teorias, a dor terá origem numa redistribuição do fluxo sanguíneo durante o exercício, o que provoca uma distensão aguda da cápsula do fígado ou do baço, o que causa a dor», explica. Teoria que, no entanto, contrasta com as conclusões de vários estudos científicos os quais concluem que «o fluxo sanguíneo nos órgãos do abdómen reduz-se durante o exercício e, portanto, uma dilatação desses órgãos não pode ser totalmente explicada”.

LEIA TAMBÉM
As dicas de Mo Farah para realizarmos uma Maratona mais calma

Outros estudos científicos defendem que estas pontadas resultam de uma sobrecarga ou irritação do diafragma, o que faz com que sofra espasmos, os quais produzem dor. E que, por sua vez, pode estar localizada nos ligamentos que sustentam o diafragma da caixa torácica.

Ainda de acordo com os mesmos estudos, esta sobrecarga do diafragma pode ter origem na respiração mais acelerada ou até mesmo noutros fatores, como a alimentação feita antes da corrida. Uma teoria partilhada por muitos investigadores, ainda que, até ao momento, não existam provas científicas a corroborá-lo.

Finalmente, uma outra teoria considera que estas pontadas poderão ter origem na postura, já que uma má postura ao correr afeta os nervos que vão desde a parte inferior das costas até ao abdómen. Por outro lado, o encurvamento incrementa a fricção no peritónio, a membrana que reveste a cavidade abdominal, causando dor.

Como prevenir?

Alguns conselhos que os especialistas recomendam:

  • Atenção à alimentação ingerida antes do treino/corrida, nomeadamente, respeitando as três horas de pausa que devem existir entre a refeição o início da corrida, ou então, os 60 minutos que devem intermediar um pequeno lanche do treino. Evite, igualmente, os alimentos ricos em gordura, assim como outros quaisquer alimentos que tenha ingerido antes de uma corrida em que sentiu pontadas. Finalmente, não descure a hidratação, não somente durante o treino ou corrida, mas ao longo de todo o dia.
  • Não descure o aquecimento, até porque tal pode despoletar um padrão de respiração rápido e irregular, o qual pode levar a um uso excessivo do diafragma. A solução é começar com, pelo menos, três minutos de caminhada a passo moderado, incrementando gradualmente o passo até entrar numa corrida suave. E só então entrar na sessão de treino prevista
  • Corra como um nadador, controlando a respiração e procurando impor um padrão de respiração ímpar, inalando a cada três passos e exalando a cada dois passos. Dessa forma, evitará que seja sempre o mesmo lado do diafragma a ser submetido a maior stress. Depois, e à medida que se vai acelerando passo, também o ritmo respiratório subirá, permitindo fixar um ritmo 2:1 na respiração
  • Atenção à postura durante a corrida, já que, como referimos anteriormente, alguns estudos demonstram que uma má postura na corrida aumenta as possibilidades de desenvolver pontadas laterais
  • Aprenda a respirar fundo para aliviar a dor sempre que as pontadas surgirem, também como forma de relaxar os ligamentos do diafragma. Deve, também, diminuir a velocidade ou então, e caso a dor seja muito intensa, caminhar. Uma vez desaparecida a dor, procure não retomar a atividade física de forma muito abruta, mas realizando um passo tranquilo e aumentando a velocidade gradualmente