Atualmente um tema na ordem do dia, os ténis para corredores de maratona Nike Vaporfly foram a razão de um novo estudo científico destinado a apurar o verdadeiro impacto deste modelo e tecnologia nos resultados obtidos pelos corredores da Maratona. E a verdade é que não ficaram muitas dúvidas quanto às conclusões…

Levado a cabo por um grupo de investigadores da Universidade de Cornell, EUA, o estudo analisou resultados obtidos entre 2015 e 2019 por atletas que correram maratonas com ténis Nike Vaporfly, tecnologia que, diga-se, a marca norte-americana já comercializa desde 2017 e que, de resto, serve de base às muito contestadas Alphafly, com que Eliud Kipchoge terminou os 42,195 km em menos de duas horas.

A investigação, levada a cabo pelos investigadores Joseph Guinness, Debasmita Bhattacharya, Jenny Chen, Maximillian Chen e Angela Loh, utilizou uma amostra sistemática de atletas de Elite e Sub-Elite, homens e mulheres, todos eles, com tempos na Maratona entre as 2h24 (homens) e as 2h45 (mulheres).

LEIA TAMBÉM
Sapatilhas “tramam” Salomé Rocha e Sara Moreira conquista nacional de 10.000 metros

Também em todos os casos analisados, o estudo levou em conta os tempos obtidos com e sem as Vaporfly, a capacidade do atleta e o nível de dificuldade da prova.

Os resultados

Quanto aos resultados obtidos, estes demonstram, segundo os investigadores, que os homens são aqueles que melhor aproveitam as vantagens de utilização das Vaporfly, conseguindo entre 2,1 e 4,1 minutos de melhoria nos respectivos tempos.

A par destes resultados, os tempos obtidos reforçam ainda o facto das Nike Vaporfly terem conseguido as cinco melhores marcas da história na distância nos últimos três anos.

Quanto às mulheres, as melhorias, em termos de tempos variaram entre os 1,2 e os 4 minutos na Maratona.

Eliud Kipchoge Nike
Nike Air Zoom Alphafly Next%: as sapatilhas da discórdia que levaram à revisão do calçado autorizado para competição pela World Athletics

Falando em termos percentuais, os homens registaram uma melhoria entre os 1,5 e os 2,9 por cento, ao passo que as mulheres não foram além de uma margem entre os 0,8 e os 2,4%. Valores que, acrescentam os investigadores, representam uma melhoria possível mas não garantida.

Um de vários

No entanto, também importa referir que este não é o único estudo que demonstra as vantagens de correr com as sapatilhas Nike Vaporfly, pois, já em 2017, uma investigação publicada na revista académica Sports Medicine afirmava que o grupo de 18 corredores participantes no ensaio melhorara, com as Vaporfly, os seus tempos em cerca de 4%.

LEIA TAMBÉM
Nike com um novo modelo para treinos e provas de longas distâncias

À mesma conclusão chegou o diário norte-americano The New York Times, que, partindo de uma amostra bem mais abrangente – 500.000 corredores de Maratona e Meia-maratona -, apurou ter havido uma melhoria na ordem dos seis minutos com os Nike Vaporfly no caso dos corredores que faziam a distância em três horas, e de oito minutos, para aqueles que levavam cerca de quatro horas a terminar os 42,195 km.