O exercício regular, como é o caso da corrida, conduz a amplos benefícios não só em termos de sistema cardiovascular, massa muscular e densidade dos ossos, como também para a tonificação do próprio sistema nervoso. A conclusão é de um estudo científico recente publicado no jornal Nature Communications.

Segundo conclui este trabalho de investigação, que teve como universo um total de 63 participantes saudáveis, desde crianças a adultos de maior idade e inactivos, o sistema nervoso consegue ajustar a resposta do organismo ao ato de correr, sendo que, à medida que a experiência se vai acumulando, essa mesma resposta torna-se cada vez mais eficaz.

A conclusão desta evidência surgiu na sequência da participação dos 63 voluntários, numa série de exercícios pré-definidos e adequados ao seu nível de atividade, e que passavam por correr na passadeira ou no exterior. Sendo que, ao mesmo tempo que os participantes faziam os exercícios, os investigadores registavam a atividade elétrica de vários músculos, assim como o nível de força aplicado pelo organismo no piso.

LEIA TAMBÉM
Quer melhores resultados na Maratona? Sorria mais, conclui estudo

Na posse destes dados, os investigadores recorreram a uma máquina específica e a um algoritmo, de forma a identificar a forma como os vários músculos atuam em conjunto, naquilo que é designado como sinergias musculares.

Co-autor do estudo, o Doutor Vincent Chi-Kwan Cheung, professor assistente no Colégio de Ciências Biomédicas na Universidade de Hong-Kong, defendeu que, quando estamos a treinar de forma consistente, por exemplo, para uma Maratona, estamos igualmente a melhorar, não somente a nossa saúde cardiovascular e resistência mental, como também a treinar o novo sistema nervoso central.

Segundo o investigador, o sistema nervoso humano consegue aprender a ativar os músculos de uma determinada maneira e é capaz de produzir formas de corrida energeticamente eficientes.

Mulher a correr rápido

Ainda de acordo com o Doutor Vincent Chi-Kwan Cheung, as sinergias musculares podem ser combinadas de diferentes formas pelo sistema nervoso, sendo que, quanto mais a pessoa correr, mais combinações o cérebro será capaz de criar de forma a melhorar a forma como nos movemos.

Dito de outra forma, os participantes no estudo que já treinavam há vários anos revelaram uma maior ativação muscular e maior número de sinergias.