Embora sendo, por princípio, um momento de prazer e satisfação, a corrida também pode ser origem de problemas quando encarada de forma errada ou excessivamente descontraída. Exatamente para que tal não aconteça, recordamos-lhes as cinco coisas que, definitivamente, não deve fazer antes de iniciar a sua corrida.

Embora nem todos os corredores tenham disso consciência, a experiência acaba por mostrar-nos que a corrida começa ainda antes de começarmos a correr, sendo que, não raras vezes, esses momentos pré-corrida condiciona ou até mesmo acabam com quaisquer pretensões na prova ou treino.

Assim, tenha em atenção estes cinco aspetos para que tudo corra pelo melhor:

  • Comer demasiado antes de ir correr
    Embora seja algo óbvio, nunca é demais repetir: evite comer muito nas horas antes do início da corrida ou treino, mesmo que se tratem de carboidratos ou nutrientes importantes na capacidade física do atleta. O importante é programar a alimentação de forma a que a digestão não esteja a ocorrer quando estiver a correr.
    No caso, por exemplo, de correr às primeiras horas do dia e não ir além de uma corrida curta, até pode ser que nem sequer necessite de comer, já que o exercício físico, durante menos de uma hora, é algo que o organismo consegue normalmente suportar.
    Já se correr mais tarde, durante o dia ou ao final deste, convirá já ter comido, mas não nas duas horas antes de iniciar o treino ou a prova. Sendo que, ao longo do dia, os pequenos lanches são uma boa estratégia para nos mantermos alimentados e com os níveis de açúcar no sangue estáveis.
    Recomendado é também que, quanto mais próxima estiver a prova, mais deve apostar em alimentos simples, como proteínas magras e com uma percentagem moderada de carboidratos. Pelo contrário, evite alimentos fritos, gordurosos, muito açucarados e com excesso de fibra.
    Em corridas logo pela manhã, tente levantar-se mais cedo, de forma a permitir um tempo de digestão entre 30 e 60 minutos antes de começar a correr, optando igualmente por um pequeno-almoço de pouca quantidade e com alimentos que sejam fáceis de digerir, mas também que abasteça durante bastante tempo o organismo, como é o caso de torradas barradas com manteiga de amendoim e água.
    Finalmente, não se esqueça que sistema gastrointestinal é diferente em cada pessoa, pelo que deve experimentar vários alimentos e descobrir, por si próprio, aqueles com que se dá melhor, não só segundo a hora do dia em que vai fazer o esforço físico, como também o número de quilómetros que irá realizar.

LEIA TAMBÉM
A dieta low carb é benéfica para quem corre e procura performance?

  • Alongamentos estáticos
    Embora a maioria de nós tenhamos aprendido a fazer o aquecimento físico ainda na escola e no desporto escolar, o mais certo é que a maior parte dessas teorias já estejam desatualizadas. A começar pelos alongamentos estáticos, relativamente aos quais os estudos mais recentes defendem que a sua realização levam a inícios de corrida mais lentos e a maior esforço, além de que, e embora leve a um alongamento do músculo, também desencadeiam uma resposta do cérebro ao músculo de proteção para que evite um alongamento demasiado, protegendo-se.
    Assim, as recomendações mais recentes vão no sentido de preferir um aquecimento dinâmico, no qual é realizada uma ampla gama de movimentos que simulam o movimento em corrida, “lubrificando” assim articulações e músculos…
  • Hidratação e subidratação
    Quaisquer que sejam os extremos, nunca são bons. Tendo isto presente e no que à hidratação diz respeito, evite beber grandes quantidades de água pouco antes de começar a correr, opte por beber água ao longo do dia, evitando também bebidas energéticas ou com cafeína, as quais, embora podendo transmitir um aumento temporário de energia, uma vez queimados os açúcares, a queda será a pique. Já para não falar que o excesso de açúcar, assim como alguns edulcorantes artificiais, podem levar ao mal-estar estomacal.
    Quanto a quantidades de água a ingerir, tudo depende do tamanho do atleta, nível de atividade, clima e taxa de suor. Ainda assim, e em média, deveremos beber cerca de dois litros por dia. Outro bom indicador é ir verificando a cor da urina, sabendo que, no caso de ser de um amarelo muito escuro, está a beber pouca água, tal como, se for praticamente branca, pode reduzir na quantidade de água.
  • Ter de ir à casa-de-banho durante a corrida
    Este é um aspeto que também deriva e muito dos próprios hábitos do corredor, o qual, no caso de ser alguém que corre de manhã, deve evitar o café, uma vez que também funciona como laxante. Assim, procure não beber líquidos na meia hora antes da corrida e não deixe de ir ao WC antes de começar a correr. Caso tenha problemas de bexiga, planifique a sua corrida contemplando já uma ou outra paragem, levando igualmente consigo papel higiénico ou toalhitas húmidas.
    Caso o WC seja algo que o impede de evoluir, se calhar é altura de rever a sua dieta ou até mesmo consultar o médico.
  • Não ouvir o seu corpo
    Evite exageros e, acima de tudo, aprenda a ouvir aquilo que o seu corpo lhe transmite, os sinais que lhe envia. Dependendo da sua idade e historial em termos de saúde, pode valer a pena fazer treinos cruzados. Descubra aquilo que melhor lhe convém a si.