Velocista de 73 anos que ainda corre os 400 metros em apenas 57 segundos, Charles Allie revelou os seus segredos, não apenas da sua velocidade, como também da pouca suscetibilidade a lesões. Trata-se da voz da experiência que vale a pena ouvir.

Apontado hoje em dia como uma das estrelas maiores do atletismo Master norte-americano, Charles Allie, de 73 anos, desabafou que nunca deixou de correr desde a infância, embora  a consagração apenas tenha surgido a partir dos 40 anos. Um despertar tardio, mas ainda assim a tempo de somar, aos longo dos últimos 33 anos, vários recordes mundiais em várias faixas etárias.

Entre estes, contam-se os 200m, com o tempo de 24s65, e os 400m, em 57s26, resultados que levaram a que fosse nomeado, pela Federação de Atletismo dos EUA, Atleta Masters do Ano em 2016, 2018 e 2020.

De resto, e embora o passar dos anos apontasse para que perdesse progressivamente a velocidade, a verdade é que os resultados de Allie mostram que, pelo menos no seu caso, não é bem assim.

«Tive a sorte de não ter sofrido lesões graves. Isso pode ser devido à forma como eu treino e me alimento», afirma o veterano atleta à Runners World. «O pequeno-almoço, altura em que habitualmente como aveia, ovos, torradas, frutas, sumo de laranja ou chá verde, é a minha refeição mais importante do dia de forma a abastecer o meu corpo.»

A par da alimentação, Allie também revela cuidados com o treino, salientando que o cardio representa cerca de 85% da sua preparação diária, incluindo igualmente sprints de alta intensidade, bem como alguma recuperação de média distância.

LEIA TAMBÉM
Cappelloni corre cerca de 350 km para ver a avó infetada com Covid-19

A par disto, o norte-americano também trabalha algumas soluções concretas de corrida, como as saídas, ao mesmo tempo que realiza alongamentos e musculação. Confessa ainda que «levanta pesos mais leves em um ritmo mais rápido para melhorar os músculos que uso na corrida».

«Quando olho para a minha geração, percebo que enfrentaremos alguns problemas de saúde com risco da própria vida. Como afro-americano, estou ciente de que podemos enfrentar problemas de saúde ainda maiores do que outras pessoas», considera Charles Allie.

Contudo, «alguns desses problemas de saúde podem ser reduzidos se assumirmos o controlo sobre a nossa saúde física e nutricional. Vamos acabar com as desculpas! Acredito que a confiança, assim como os benefícios para a saúde que daí advêm, superam os esforços decorrentes de fazer exercício e suar um pouco».