Como é natural, nos Jogos Olímpicos temos uma série de acrónimos. Série de quê? Para que tal não volte a acontecer, revelamos-lhe o significado de cada uma das siglas mais utilizadas na elaboração das tabelas classificativas no Atletismo.

Tal como em muitos outros setores ou desportos, também na corrida existem uma série de acrónimos que, embora de entendimento à partida não muito fácil, servem para qualificar a prestação dos atletas numa determinada prova.

LEIA TAMBÉM
Golden Trail World Series 2020 já com as datas reveladas

Com origem, na maior parte dos casos, em palavras inglesas, a verdade é que a sua utilização está, hoje em dia, totalmente disseminada pelo Mundo da Corrida, não deixando de provocar, por vezes e devido à falta de conhecimento, dúvidas e até alguns mal-entendidos.

A importância de conhecer os acrónimos e o seu significado

Aqui ficam algumas siglas, ou acrónimos, que convém mesmo conhecer e interpretar corretamente para que o prazer retirado da corrida seja sempre em crescendo…

  • DNS – Did Not Start (Não Compareceu à Partida)
  • DNF – Did Not Finish (Não Terminou a Prova)
  • DSQ – Disqualified (Desqualificado, sendo que, em algumas provas, também pode surgir o acrónimo DQ)
  • NM – No Mark (Sem Tempo Registado)
  • PB – Personal Best (Recorde Pessoal do Atleta)
  • CR – Championship Record (Tempo Recorde do Campeonato)
  • WR – World Record (Recorde do Mundo)
  • NR – National Record (Recorde nacional)
  • SB – Season Best (Recorde Pessoal do Atleta na Temporada)
  • WL – World Leading (Melhor Marca da Temporada)
  • AF – African (Recorde de África)
  • AM – Americas (Recorde das Américas)
  • AS – Asian (Recorde da Ásia)
  • ER – European (Recorde da Europa)
  • OC – Oceania (Recorde da Oceânia)
  • SA – South America (Recorde da América do Sul)
  • OR – Olympic Record (Recorde Olímpico)
  • PRO – Professional (Relativo à categoria Profissional em que o atleta compete)