Devido ao irmão e a um grupo bastante ativo no ginásio que frequenta, Christiane Moreira de Souza, a Vovó Corredora, descobriu de vez a corrida há cerca de 10 meses. Há seis anos, pesava cerca de 128 kg. Hoje, com 48 anos e menos 40 kg depois, tem a ambição de correr uma Meia-maratona antes dos 50 anos e, depois, a tão ambicionada Maratona.

Comecemos… pelo início: como foi que começou a correr? O que é que a levou a correr?
Comecei a correr em agosto de 2019, portanto, há cerca de 10 meses. No ginásio que frequento tem uma equipa de corrida bastante ativa. Animei-me com isso… Mas a história é bem engraçada, já que não comecei com os treinos, comecei por fazer uma prova. Comecei a correr por dois fatores: o primeiro devido ao meu irmão, que tinha começado a correr e estava bem mais magro e muito feliz, com a autoestima nas alturas, então isso foi inspirador; o segundo foi a inscrção na prova Corrida do Lacre (5 km -Caminhada), junto com a equipa do ginásio, no total 26 pessoas. A maioria para fazer a corrida, para a caminhada era só eu e mais 6 pessoas. Na euforia da prova, trotei e até corri! Então descobri que conseguia correr.

E lembra-se de quais foram as primeiras dificuldades com que se deparou?
A minha primeira dificuldade foi e ainda é a respiração. Ainda preciso organizar-me e ser bem orientada nesse aspeto. Mas sei que muito da minha dificuldade é por estar ainda em sobrepeso.

E nunca teve dificuldades com a motivação, por exemplo?
Nunca tive problemas em relação à motivação. Evidentemente que temos dias maus e ruins, mas, em termos globais, sou eu que sempre motivo quem está ao meu redor. E também tenho a sorte de pertencer a um ginásio e a uma equipa de corrida bem unida!

LEIA TAMBÉM
Filipe Robert: «Qualquer pessoa consegue correr quantos quilómetros quiser com uma máscara»

De que forma o peso funcionou como um obstáculo? E quando é que começou a sentir que estava a derrotá-lo?
Sim, o peso sempre foi muito complicado. Quando comecei a fazer atividade (caminhada e zumba) pesava 128 kg, nem conseguia amarrar os próprios sapatos. Estava muito triste e achava que nunca mais conseguiria emagrecer. Comecei então a caminhar com muita dificuldade e a fazer zumba em casa.
Senti que estava a derrotar as dificuldades somente tempos depois, quando já tinha emagrecido quase 20 kg. Fiz uma reeducação alimentar, cortei frituras, refrigerantes, massas brancas, etc. Nada de extraordinário, somente cortei exageros, não usei nenhum suplemento ou medicamento, por exemplo. Hoje já atingi 75% da minha meta, que é reduzir 50 kg. Já eliminei 38 kg…  

Quando começou a correr, que tipo de treinos fazia? E com que frequência?
Quando comecei a correr treinava uma vez por semana, acompanhada de uma personal trainner. Depois fomos aumentando os dias de treino.

Hoje em dia, que tipo de treinos faz e quantos quilómetros costuma correr? E com que frequência? Neste momento, que objetivos tem com a corrida?
Corro às terças, quintas e domingo e faço funcional segundas, quartas e sextas-feiras. Corro entre 5 e 10 km. Já participei de quatro provas: Corrida do Lacre, Corrida da Paz, Night Run e Mulheres na Pista. O meu objetivo é aumentar as distâncias, quero correr uma Meia-maratona até aos meus 50 anos, daqui a 2 anos, e também gostaria de correr uma Maratona, mas preciso baixar o meu peso. Não ando preocupada em diminuir o pace, quero focar na distância.

E de que forma é que a que a Covid-19 interferiu nos treinos da Vovó Corredora? Como tem feito para conseguir continuar a correr?
A pandemia atrapalhou-me muito nos primeiros 50 dias, acabei por engordar 4,5 kg. Fiz treinos funcional em casa nos primeiros dias, mas logo fui desanimando… No entanto, quando a prefeitura da cidade permitiu os exercícios na rua, fui correr de imediato e melhorei a minha condição. Voltei para o ginásio, em turmas de 5 alunos, sempre respeitando todas as normas.
Hoje sinto-me bem a correr e a fazer o meu treino funcional.