Rafaela Fonseca é a única atleta portuguesa a ser campeã nacional nos 100 e 200 metros e na… Maratona, título alcançado recentemente. A atleta do Clube Desportivo S. Salvador do Campo mostra-se confiante para a nova fase da sua carreira.

Foi campeã nacional nos 100 e 200 metros. Porque agora a Maratona, sendo bastante raro um(a) velocista ingressar nos 42,195 km, inclusive a nível internacional?
Fui velocista durante muitos anos, entre 1999 e 2010. Pensei em desistir do Atletismo devido a uma lesão, mas conheci um treinador em 2010, professor Ascensão, que disse que eu tinha muitas qualidades e se queria ir treinar com ele. Decidi começar no meio-fundo e fundo. Como tinha pouco apoio, fazia muitas provas de estrada, todos os fins de semana, provas que me sustentavam financeiramente. Por esse motivo nunca melhorei as minhas marcas, porque sempre corria e nunca tinha descanso.
Acabei por ir para o Reino Unido em 2013 porque as coisas ficaram complicadas a nível financeiro. Fiquei lá 7 anos e tive 2 filhos. Depois, o meu marido e treinador, Luís Fonseca, acabou por incentivar-me a voltar a correr. O início, como deve calcular, foi muito penoso, mas as coisas melhoraram e, ao fim de 5 meses de treino, vim a Portugal fazer a Volta a Paranhos 2019, onde fui quarta classificada. Em janeiro de 2020, na Meia-maratona Manuela Machado, fui 3.ª classificada, com um recorde pessoal de 1h16m29. Estava tudo a correr bem e acabámos por regressar a Portugal, quando começou a pandemia, algo que não contávamos. O meu objetivo agora é melhorar os meus recordes pessoais dos 5000 metros à Maratona. Não estava previsto tão cedo fazer a Maratona, mas como não havia mais provas, decidimos participar no Nacional e iniciar mais cedo a preparação para eu treinar com um objetivo, que até então não tinha porque estava tudo cancelado.

O que a Rafaela Fonseca retirou das provas de velocidade que conseguiu trazer para a Maratona?
Penso que foi a determinação de ser melhor e querer superar-me. E também a velocidade, que não é como era, mas ainda tenho alguma.

Acredita que, por ter sido velocista, a passagem para a Maratona foi mais complicada?
Passar de velocista para o fundo custou bastante no início, mas tudo se treina e com tempo chegasse lá.

Em relação aos três títulos, qual foi o mais complicado de vencer?
O mais complicado de vencer foi o da Maratona, porque pensei que não conseguiria chegar ao fim.

LEIA TAMBÉM
Rafaela Fonseca: «O título nacional de Maratona não foi com uma vitória de sonho»

E o título na Maratona é o que a Rafaela Fonseca tem mais orgulho?
O título que tenho mais orgulho foi o de 200 metros.

Velocidade ou longa distância? Porquê?
Neste momento, longas distâncias. Há uma fase para tudo, fiz o que tinha a fazer na velocidade, agora quero singrar nas longas distâncias.

Pretende continuar na Maratona?
Sim, pretendo continuar na Maratona como prova principal, mas também fazer 10 km e Meias-maratonas.

O que a Maratona deu a Rafaela Fonseca?
Eu já tinha espírito de sacrifício, mas a Maratona deu-me mais e fez-me ver que consigo fazer coisas que não imaginava que seria possível.