Morgana de Oliveira correu 3 Majors, Berlim Chicago e Nova Iorque. Segundo a brasileira, nada se compara ao entusiasmo dos moradores da Big Apple.

Já visitou 9 países devido a corrida. Qual aquela que recorda com mais carinho?
A Maratona de Berlim de 2016. Primeiro por ser a minha primeira Major e, segundo, por ter recebido na véspera da prova a notícia de que o meu pai tinha tido um A.V.C. Essa situação, logicamente, foi muito angustiante. Estava longe, do outro lado do mundo… O dilema na minha cabeça era correr ou retornar. No entanto, graças à Deus, foi algo transitório. Instantes antes da prova, através dos meus familiares, recebi a notícia de que ele estava a se recuperar bem e que, por isso, que corresse em paz. Foi o que fiz, por ele. Aprendi nesse dia a correr com o coração além das adaptações fisiológicas, a correr com o corpo e a alma, como uma analogia ao nome que ele me deu: Amor & Gana! Hoje ele está bem, totalmente recuperado e sem sequelas. Para mim, o meu pai é uma das maiores inspirações no desporto. Foi atleta profissional de futebol e quem me incentivou a praticar atividade física na infância, o que acabou por ser hoje para mim um vício, um estilo de vida, uma paixão e uma profissão.

Como em todas as Maratonas além de estarem presentes em todo o percurso levo estampado o nome do meu pai e da minha mãe…

Publicado por Morgana de Oliveira em Segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Além de Berlim, quais as Majors que já correu e os tempos e experiência em cada uma? A Morgana de Oliveira já correr, por exemplo, em Nova Iorque?
Corri Berlim 2016 em 3h54, Chicago 2017 e Nova Iorque 2018 em 4h10.
A mais complicada foi Chicago, não pela altimetria ou condição climatérica, mas por correr após uma lesão. Foi algo bem desafiador. Em termos de ambiente, as três são sensacionais, mas o envolvimento do público em Nova Iorque leva-nos adiante. É algo incrível, mais de um milhão de pessoas nas ruas a vibrar, a aplaudir, a incentivar. É algo realmente emocionante!

LEIA TAMBÉM
Hannah Gavios: da tentativa de estupro para a Maratona de Nova Iorque

E para quando as restantes três? É o seu sonho ganhar a medalha especial das 6 Majors?
Pretendo realizar as três restantes, Tóquio, Londres e Boston, o mais breve possível e realizar esse sonho, que certamente será muito especial.

Qual a lesão que sofreu antes de Chicago? Foi muito grave?
Sim, tive uma lesão séria, uma hérnia discal lombar extrusa L5/S1 com indicação cirúrgica. No entanto, consegui fugir à cirurgia com um trabalho multidisciplinar, com fisioterapia, pilates e, posteriormente, musculação. Foram quatro meses afastada da estrada mas hoje estou totalmente recuperada. Corro sem dores e sem desconforto. Mas foram momentos muito tensos, em que pensei que não conseguiria mais correr. Para nós, apaixonados pela corrida, é muito difícil até de imaginar essa possibilidade, já que ela faz parte da nossa vida!

LEIA TAMBÉM
«A Meia-maratona é a distância ideal para conciliar com o dia-a-dia»
O jovem Super-homem que marcou a vida de Morgana de Oliveira

Quais os seus melhores tempos nos 5 km, 10 km, Meia-maratona e Maratona?
5 km – 21m30
10 km – 47m19
21 km – 1h45
42 km – 3h45