A corrida virtual é hoje uma certeza no panorama mundial e provavelmente vai estar presente no futuro ao lado da corrida ao vivo, acredita Hugo Sousa, da HMS Sports, que vai organizar, nos próximos dias 13 e 14 de junho, a sua primeira corrida virtual, a Corrida de Santo António.

Desde quando começaram a ponderar a hipótese da Corrida Virtual e como foi essa decisão final de fazer virtualmente a corrida?
Os eventos virtuais acabam por ser uma forma de manter o contato com os nossos atletas, com o nosso público, com a comunidade de que habitualmente participa nos eventos organizados pela HMS Sports. A nossa primeira experiência aconteceu a 19 de abril, na data inicial prevista para o Lidl Setúbal Triathlon, com um evento virtual no HMS Sports Club no Strava. Procurámos assinalar simbolicamente o dia da prova e incentivar os atletas a pedalarem 90 km em casa. Dirigida aos inscritos na prova, a iniciativa esteve aberta a todos que tivessem interesse em associar-se e podemos dizer que correu muito bem! Contámos com mais de 250 entusiastas a participar e recebemos um bom feedback. Em termos de corridas, a estreia será com a Corrida de Santo António (se inscreva aqui), um evento organizado pela HMS Sports desde 2011, no início de junho, para celebrar os Santos Populares. É uma iniciativa simbólica, festiva e não queríamos perder a ligação com os atletas. Neste momento, não é viável a realização da prova nos moldes tradicionais, pelo que a opção virtual é a que melhor se adequa.

Teremos também no futuro uma corrida virtual na São Silvestre de Lisboa?
Teremos também no futuro uma corrida virtual na São Silvestre de Lisboa?

E a organização da prova foi mais complicada do que imaginaram? Quais as principais dificuldades que sentiram? Como foi colocar de pé este projeto?
Este ano, a Associação Mutualista Montepio associou-se ao evento como naming sponsor e estávamos a trabalhar em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, no sentido de efetuar a prova no Rossio. Tínhamos tudo pronto para proceder à abertura das inscrições, mas a situação alterou-se de forma substancial com a pandemia da Covid-19. De um momento para o outro, o evento, tal como o conhecemos, deixou de ser possível. Tivemos que redesenhar o modelo e perceber a viabilidade de avançar com algo. Não queríamos que fosse apenas um evento virtual, pretendíamos uma iniciativa diferente e aqui contámos com o apoio dos parceiros Associação Mutualista Montepio e Lidl para o caráter solidário do evento: ambas as entidades farão um donativo à Rede de Emergência Alimentar. A Associação Mutualista Montepio fará um donativo de 5€ por cada um dos primeiros 1.500 inscritos na prova, enquanto o Lidl doará 5€ por cada um dos primeiros 500 atletas que participem na iniciativa e nos enviem o registo da atividade. Desta forma, incentivamos a inscrição, que é gratuita, e também a participação neste evento, permitindo que o atleta faça 5 km ou 10 km, a correr ou a caminhar, no fim-de-semana de 13 e 14 de junho.

Até ao momento, estão satisfeitos com a adesão ao evento? Qual a vossa perspetiva de participação?
Sendo o nosso primeiro evento virtual, desconhecemos o comportamento dos atletas e como irão reagir a este modelo virtual, gratuito e solidário. Com poucos dias de inscrições abertas, posso dizer que a reação das pessoas tem sido surpreendente, as inscrições seguem a um ritmo excelente! Os parceiros envolvidos neste projeto – Associação Mutualista Montepio, Câmara Municipal de Lisboa, Lidl, Rádio Comercial, Holmes Place, Hyundai, Vitalis e Running Magazine – também contribuirão para a divulgação da iniciativa nos respetivos meios e acredito que juntos conseguiremos alcançar uma marca muito significativa.

LEIA TAMBÉM
Maratonista brasileiro Paulo Paula encantado com a São Silvestre de Lisboa

Concretamente, como será a Corrida de Santo António deste ano? Quais os passos a dar, como os corredores recebem os seus kits, o que têm de fazer, etc.?
A Associação Montepio Corrida de Santo António propõe uma corrida ou caminhada de 10 km ou 5 km, nos dias 13 e 14 de junho. A inscrição é gratuita e deve ser realizada no sítio oficial do evento: corridadesantoantonio.com. Pelos primeiros 1.500 inscritos na iniciativa, a Associação Mutualista Montepio fará um donativo de 5€ por atleta, traduzidos em géneros alimentares a entregar à Rede de Emergência Alimentar. A cada inscrito é enviado apenas o dorsal digital, por correio eletrónico, o qual poderá ser partilhado pelo próprio atleta nas redes sociais ou poderá ser utilizado durante a atividade. No fim de semana em que se celebra o Santo António, o atleta deverá cumprir a distância (5 km ou 10 km) que se sentir mais confortável, a correr ou a caminhar, no horário que pretender e num percurso definido por si, respeitando as normas da Direção-Geral da Saúde. Cada atleta é responsável pela cronometragem da sua prova, sendo necessária a utilização de um dispositivo com GPS. Após a realização do desafio, o atleta deverá enviar o registo da atividade para a organização, através do e-mail info@corridadesantoantonio.com, até às 23h59 de 15 de junho, com a indicação do nome e número de dorsal, juntamente com o comprovativo da atividade, em que seja visível a data da realização, a distância cumprida e o tempo efetuado. Por cada atleta que cumpra o desafio e envie o registo da atividade, até 15 de junho, o Lidl fará um donativo de 5€ à Rede de Emergência Alimentar (até 500 registos válidos). A Associação Mutualista Montepio, por sua vez, premiará os primeiros 180 atletas, não associados, que enviarem o registo de atividade. A organização irá enviar um diploma de agradecimento a todos os participantes que nos enviarem o comprovativo.

Como olha para este tipo de eventos, uma moda no Mundo da Corrida neste momento?
Um evento virtual permite que um número maior de atletas possa aderir ao evento e aqui falo de pessoas de qualquer ponto do país ou do mundo. No fundo, acaba por aproximar pessoas de partes distintas. Neste período de confinamento, foi notório o crescimento deste tipo de evento, em diversas modalidades. Poderá ser uma tendência a manter em algumas situações muito concretas. Defendo as corridas ao vivo e acredito que o convívio entre os atletas continua a ser um dos pontos fortes das mesmas.

Mas acredita que as corridas virtuais sobreviverão pós-pandemia? É um momento ou haverá espaço para a convivência de ambas as corridas, virtuais e de rua?
Sim, acredito que sobreviverão, embora o número de eventos virtuais possa ser mais reduzido quando comparado com o período de confinamento. Há espaço para a convivência, embora acredite que muitas pessoas tenham vontade de regressar aos eventos de rua onde a experiência é incomparavelmente melhor.

No futuro poderemos ter uma prova física e virtual ao mesmo tempo, possibilitando corredores de todo o mundo a correr uma São Silvestre de Lisboa, por exemplo?
Poderá ser uma possibilidade! No passado já o tivemos de forma informal!

A São Silvestre de Lisboa é uma das provas organizadas pela HMS Sports de Hugo Sousa.
A São Silvestre de Lisboa é uma das provas organizadas
pela HMS Sports de Hugo Sousa

Como a HMS Sports tem vivido este momento? Está a ser mais complicado do que imaginou no princípio?
Uma empresa de organização de eventos ver os eventos cancelados ou adiados de um momento para o outro foi extremamente difícil. Foram dias e semanas complicadas, ainda estão a ser. Acreditamos que vamos superar este período, como bons desportistas que somos não desistimos facilmente.

E o que retiram deste momento de positivo?
Tivemos de redesenhar a nossa estratégia, o nosso plano de atuação, pensar em iniciativas diferenciadoras. É o que retiro de positivo deste momento. 

Como olha para o futuro próximo? Acredita que teremos ainda este ano provas de rua?
Caso a pandemia não se agrave, acredito que existirão eventos de rua ainda este ano. Estamos naturalmente dependentes da evolução da situação. Em termos de medidas a adotar nos eventos, tendo em conta o tipo de iniciativas que organizamos, estamos a par das medidas traçadas pela AIMS (Association of International Marathons and Distance Races) e pelas federações internacionais de Atletismo e de Triatlo. Iremos também estar atentos às respetivas entidades nacionais para perceber as medidas a considerar nos eventos. Teremos de repensar as provas em termos organizativos e avaliar os custos envolvidos nestas alterações. Ainda é prematuro avançar com medidas concretas.

Teremos mais provas virtuais da HMS Sports?
Na HMS Sports gostamos de estar no terreno, junto dos atletas, dos parceiros, do público. As provas virtuais são uma forma diferente de estarmos juntos. Quando tivermos novidades, revelaremos.

FOTOS: HMS Sports