Vencedor da One Hundred – Douro FKT, Hugo Gonçalves, 31 anos, agente da PSP e natural de Marco de Canaveses, vai participar da Rio FKT “Caminho do Imperador”, que está a decorrer neste momento no Brasil. O atleta da Furfor Running Team recorda esta quinta-feira como foi a sua prova em Portugal e, amanhã, confessa que vai para o Brasil com o intuito de repetir o primeiro lugar alcançado no nosso país.

Já recuperado do One Hundred – Douro FKT?
Sim, já me sinto recuperado. Depois do Douro FKT foi feito um trabalho de recuperação em que estive praticamente 15 dias sem correr e depois regressei gradualmente. No entanto, 160 km com quase D+ 5000m é sempre muito desgastante.

E esperava vencer este desafio (leia aqui)? E quando resolveu fazer a prova?
As longa distâncias são provas em que me sinto mais à vontade. Logo, o principal objetivo era vencer. No entanto sabia que iriam estar excelentes atletas a participar e que, em 161 km, tudo pode acontecer, ainda mais num ano atípico. Estava inscrito para o Lavaredo Ultra Trail 120 km e UTMB 170 km, mas as duas provas foram canceladas! Foi quando tive conhecimento da prova quando vi o vídeo do João Andrade (NDR: CEO da One Hundred) a desafiar os atletas e a explicar em que consistia o desafio. Fiquei logo interessado. No entanto, no início da época, tinha planeado fazer a prova do Campeonato Nacional e, por serem em datas muito próximas, tinha que optar por uma (na verdade, foi o meu treinador André Rodrigues que me obrigou a escolher uma das duas, kkk). Enviei uma mensagem ao João a fazer algumas questões sobre a prova e ele, para conseguir explicar melhor, ligou-me. Foi nessa chamada que decidi de imediato que iria fazer o Douro FKT.
Foi uma decisão muito fácil de tomar, já que percebi que o João Andrade tinha tudo para conseguir que a One Hundred fosse bem sucedida!

O que poderia falar da sua prova? Poderia fazer um pequeno resumo?
A prova foi uma aventura! Desde a decisão de fazer o desafio até à chegada. Senti-me muito bem praticamente durante todo o percurso, onde segui sempre o que estava estipulado, quer a nível de ritmos como de alimentação. A corrida foi feita praticamente toda durante a noite e esteve um tempo prefeito para a prática da modalidade.

E qual foi a sua estratégia? Tendo um tempo a superar, acaba por ser mais fácil de elaborar a estratégia, por exemplo?
A estratégia de tempos foi feita pelo meu treinador, André Rodrigues. Nem me preocupei com isso, só tinha que cumprir (risos). No entanto, como fui o último atleta a efetuar o desafio, sabia que bastava fazer um minuto abaixo do tempo e batia o recorde. Mas, numa prova destas características, existem outros pormenores muito importantes para conseguir cumprir com o objetivo, como por exemplo a equipa de apoio, o material a utilizar, a alimentação, etc. E tudo isso foi preparado ao detalhe, o que fez com que conseguisse ser o mais rápido do percurso.

Mas ter corrido nos últimos dias da janela temporal do desafio foi uma estratégia, já que assim tinha a perfeita noção do tempo a superar?
A escolha da data foi o primeiro passo. A prova foi anunciada com pouco tempo para a preparar. Portanto, para ter mais tempo de preparação, decidi ir mais próximo do final. Mas também tinha que coordenar a corrida com as minhas folgas no trabalho e com a equipa de apoio.
Ir no último dia pode ser bom em virtude de termos uma comparação com os outros tempos, mas também pode ser mau por só termos uma oportunidade. Mas foi bom já saber o resultado que tinha que superar.

Passado cerca de um mês do One Hundred – Douro FKT, o que mais recorda da sua prova, o de mais positivo e o negativo?
O que mais recordo foram os momentos vividos com a minha equipa de apoio, também dos vários treinos de reconhecimento, uns sozinho, outros com amigos. Todavia, a chegada a Cinfães foi muito emotiva. Ter a minha família, mulher e filhas, à minha espera e “cortar a meta” com as meninas ao colo foi espetacular. De negativo, e sinceramente, não me estou a recordar de nada. Acredito que foi uma prova perfeita.

Foi a primeira vez que correu um FKT? O que acha deste tipo de desafios? Qual a sua opinião?
Sim, foi o meu primeiro FKT. Acho que é sem dúvida a melhor forma de haver competição durante o momento pelo qual estamos a passar devido à pandemia mundial!

Os tempos da Douro FKT, com Hugo Gonçalves no primeiro lugar
Os tempos da Douro FKT, com Hugo Gonçalves no primeiro lugar