Davide Figueiredo confessa que tem um método de treino diferente do habitual. No entanto, a verdade é que as lesões são uma palavra rara no seu dicionário da corrida. No fundo, o que pretende é… correr.

Não treina com relógio, não faz trabalho de séries e alongamentos quase nulos. Considera-se um romântico da corrida, ou seja, é calçar os ténis e correr?
Praticamente isso. Adoro a sensação e o prazer do treino, não sentir a pressão da corrida.

O Davide Figueiredo defende essa posição em termos globais?
Nunca aconselharia o meu método de treino a ninguém…

Com esse tipo de treinos, já teve muitas lesões na sua carreira?
Felizmente, com o meu método de treino, raramente estou lesionado.

Acredita que esta maneira de estar na corrida foi importante para continuar a correr com resultados até os 50 anos?
Penso que só consigo estes resultados porque estive parado praticamente 25 anos e nunca levei o meu corpo ao limite no Atletismo.

Quais os principais cuidados que tem devido a sua idade?
O descanso é fundamental, saber gerir bem os meus treinos, já que trabalho por turnos rotativos. Na alimentação, sou muito rigoroso para o corpo estar bem todos os dias. Também não levo o meu corpo ao limite nos treinos e procuro ter uma vida o mais saudável possível. 

LEIA TAMBÉM
Davide Figueiredo: «Não gosto de correr a um ritmo irregular»

Olhando para o passado e para hoje, o que ganhou com a experiência?
Sem dúvida que hoje conheço melhor o meu corpo e até onde posso ir. Não é por acaso que digo que quero bater esses recordes, é porque conheço os limites do meu corpo.

E quais os principais erros que cometeu, que hoje se arrepende e que, se soubesse na altura, jamais cometeria?
Ter deixado o Atletismo aos 17 anos. Nessa altura era atleta do Benfica. 

Principal prova que recorda?
Sem dúvida ter sido campeão do Mundo na Austrália, em 2016. Tudo estava a correr mal, quarto colocado nos 8 km Cross, mas também nos 10000 metros em pista. Mas consegui dar a volta na última prova, que foi a Meia-maratona, derrotando um queniano e um holandês.

O que ganhou com a corrida e continua a ganhar?
A corrida dá-me tranquilidade, bem estar, motivação, etc. no dia a dia. Fazemos também grandes amizades neste mundo. 

Os tempos que Davide Figueiredo pretende superar até aos 54 anos são os seguintes:

  • 3000m pista coberta: 9m10s92
  • 3000m: 9m11s70
  • 5000m: 15m34s62
  • 10.000m: 32m19s40
  • Meia-maratona: 1h10m10
  • Maratona: 2h29m14