Ercília Machado
Foto: Nuno Gonçalves

Figura do cross, fundo e meio-fundo português, Ercília Machado é também a Embaixadora da Maratona Virtual Solidária, evento organizado pela Runporto e que tem como objetivo ajudar quem precisa, algo que a ex-campeã nacional de Corta-Mato e Cross Curto assume fazer «com muito gosto», numa iniciativa que, além do mais, também ajuda «a manter a forma».

De que forma surgiu a hipótese da Ercília Machado se tornar Embaixadora da Maratona Virtual Solidária? E o que a levou a aceitar?
Surgiu após um convite por parte do Organizador e Diretor Geral da Runporto, o Jorge Teixeira. Foi com muito gosto que me associei à iniciativa liderada pelo Jorge Teixeira e a Runporto, em que o intuito é ser solidário, mantermo-nos ativos fazendo desporto e que, apesar do momento em que estamos a viver, estarmos juntos a ajudar quem mais precisa.

LEIA TAMBÉM
Triatleta corre 19 maratonas em 19 dias para ajudar na luta contra o coronavírus

Quais os motivos que estão base desta iniciativa? E de que forma irá decorrer?
Após o adiamento de alguns eventos desportivos que a Runporto tinha agendado para esta altura do ano, fruto da necessidade de contenção social necessária para impedir a propagação do COVID-19, eles decidiram lançar a Maratona Virtual Solidária. O evento será realizado no fim-de-semana de 30 a 31 de maio e os principais objetivos são motivar e inspirar a comunidade global de corredores, promover um estilo de vida ativo e saudável, mesmo nos momentos difíceis em que vivemos, e angariar fundos para a luta contra a Covid-19. Exemplos dos desafios: Corrida ou caminhada de 5 km, 10 km, 21 km ou 42 km; Bicicleta – 30 km, 50 km, 70 km ou 100 km. O conceito da Maratona Virtual Solidária é que todos os participantes podem fazê-la a qualquer momento, em qualquer lugar do mundo, sempre com segurança e respeitando as restrições de cada país. Este evento virtual pretende criar uma onda solidária, com a angariação de fundos, mas também um momento em que voltemos a estar juntos. Esta angariação de fundo será a favor da Cruz Vermelha Portuguesa, para luta contra a Covid-19.

Ercília Machado num dos seus treinos
Ercília Machado num dos seus treinos

Numa época especialmente difícil de pandemia e em que os eventos desportivos são sucessivamente cancelados, as maratonas virtuais parecem querer começar a ganhar o seu espaço. De que forma encara a Ercília, enquanto atleta profissional, esta tendência?
Perante a situação atual, que não permite a realização de provas presenciais, diversos organizadores desafiam os participantes das suas habituais corridas para que mantenham uma vida ativa e um estilo de vida saudável, avançando com provas virtuais com diferentes possibilidades em distâncias. Como dificilmente haverá provas com milhares de pessoas enquanto não houver um tratamento ou uma vacina, estas provas surgem como um incentivo para que os participantes mantenham o foco, a motivação nos treinos e, acima de tudo, um bem-estar mental face à ausência das competições até voltarmos à normalidade.

Na opinião da Ercília, poderão as maratonas virtuais, ou outras provas do género, ser uma solução para os atletas profissionais manterem a forma, por exemplo?
Acho que os atletas profissionais conseguem manter a forma com o treino que vão desenvolvendo no seu dia-a-dia. Mas estas provas virtuais podem por vezes dar um estímulo diferente face ao que os atletas estão habituados. Por isso, sim, estas provas ajudam a manter a forma.

Um dos aspectos que podem ser apontados às provas virtuais é, por exemplo, a falta da componente do confronto direto, do medir de forças com o adversário, que, neste tipo de eventos, não está fisicamente ao nosso lado. Concorda? Ou é algo perfeitamente ultrapassável?
Na minha opinião, acho que é necessário haver o confronto direto, logo, será necessária a realização de competições reais. O confronto direto gera sempre estímulos nos atletas, principalmente psicológicos.

[CONTINUA NA TERÇA-FEIRA…]