Como é a vida desportiva de um atleta profissional? A resposta está a dar Emanuel Rolim através do seu canal do Youtube, concretamente Run Rolim. O objetivo do atleta do Benfica é simples: «Quero estar mais próximo das pessoas com os meus vídeos e transmitir o que um atleta profissional vive.»

Quando e como surgiu a ideia do Emanuel Rolim criar o seu próprio canal no Youtube?
Posso dizer que não tenho uma data exata, mas um dos meus primeiros vídeos foi há 2 anos, quando fui a uma milha em Ibiza. Já tinha participado na mesma milha no ano anterior e como Ibiza é uma ilha espetacular, quis registar a viagem para mostrar aos familiares. Quando lá estava, pensei: e porque não filmar também a prova? Assim consigo partilhar com os meus seguidores e mostrar mais alguns detalhes que não são percetíveis numa foto.
Primeiramente, o meu canal foi criado para registo pessoal de competições e viagens. Percebi que, ao partilhar estas experiências no Youtube, poderia interessar e chegar mais próximo das pessoas. Acaba por ser também uma forma de complementar e promover a minha presença nas redes sociais.

E como foi esse início do seu canal, ser youtuber? Tinha alguma experiência em edição de vídeo, por exemplo? Quais as primeiras dificuldades que encontrou?
O meu canal teve oficialmente início em janeiro deste ano, quando voltei ao Quénia, desta vez com o meu colega de treino Samuel Barata. Em termos de edição de vídeo foi um grande obstáculo, pois tudo o que aprendi foi através de tutoriais no Youtube. Tenho a sorte de ter uma namorada que é designer e ajudou-me também na evolução do mesmo.
Uma das maiores dificuldades que encontro é filmar os meus treinos. Não vou descurar o treino em função do Youtube. Só gravo quando posso e quando não prejudico o meu rendimento desportivo. Quando estive no Quénia, gostaria de ter gravado mais treinos, pois tive uma das melhores experiências ao treinar com o campeão europeu de Pista Coberta, Marcin Lewandowski – e mais tarde nos Estados Unidos. Mas, como disse num dos vídeos, «estamos lá para treinar. Se conseguir transmitir, tanto melhor».

É só o Emanuel Rolim a produzir todo o material?
Sim, desde a obtenção das imagens à edição, sou eu que faço tudo. Por vezes peço a colegas para filmarem o treino. No entanto, como não gosto de estar a incomodar, tenho feito algum conteúdo na primeira pessoa.

LEIA TAMBÉM
Recluso francês corre 110 km numa pista com um diâmetro de não mais que 140 metros

Qual o principal foco do canal, o seu principal objetivo?
O meu principal objetivo é registar a minha vida desportiva. Quero estar mais próximo das pessoas com os meus vídeos e transmitir o que um atleta profissional vive. Vou também com certeza dar algumas dicas de treino, alimentação, equipamento desportivo, locais de treino, etc.
Chegar aos “runners” é sem dúvida um objetivo, pois muitos gostam de correr e também seguir atletas profissionais. Mas sinto que estes não conseguem transmitir da melhor maneira toda a sua experiência através das redes sociais, como o Instagram e o Facebook.

É um consumidor ávido desta plataforma?
Sim, posso dizer que gosto de certos conteúdos que não passam na televisão portuguesa.
Em termos desportivos não consigo estar à frente da televisão sempre a ouvir assuntos relacionados com o futebol, assisto exclusivamente só os jogos. Tudo o resto procuro no Youtube e redes sociais, pois gosto muito de ver vídeos de desportos radicais.

Na terça-feira, Emanuel Rolim conta-nos como tem corrido esta experiência, os pontos positivos e negativos, as dificuldades em ser “youtuber”.