Com quatro presenças consecutivas nos últimos quatro anos na PT281+, sempre como finalista, Filipe Conceição tem uma vasta experiência na prova, o que faz com que os seus conselhos devam ser apreendidos ao máximo pelos participantes deste ano.

Na sua opinião, o que tem de especial a PT281+?
A PT281+ é especial por vários fatores. Para começar, e que ainda não referi, pela excelente organização. A prova está muito bem organizada. Os percursos fornecidos para orientação por GPS estão bem-feitos, levam-nos às bases de vida sem enganos. A organização está sempre a acompanhar fisicamente ou remotamente por GPS a progressão dos participantes. Nas bases de vida não falta nada em termos de alimentação e hidratação. Nalgumas bases de vida estão elementos da cruz vermelha para tratar quem necessita. Nesta prova sinto-me perfeitamente seguro. O percurso da prova é interessante. Atravessamos toda uma região, com a paisagem sempre a mudar. Temos de tudo: planícies, vales e montanha. É uma prova que nos leva até ao limite. Não é fácil, não é só correr, temos de fazer a gestão de muitas variáveis. E, por fim, o que a torna mesmo especial são as grandes amizades que fazemos com os nossos companheiros de viagem.

Se tivesse que fazer um Top 3 das principais caraterísticas da prova, quais seriam? E porquê?
As principais características da prova são as temperaturas elevadas que nos obrigam a fazer uma excelente gestão dos líquidos e respetiva hidratação, as paisagens da Beira Baixa e as amizades únicas que conquistamos com pessoas especiais vindas dos quatro cantos do mundo.

Quais conselhos poderia dar aos atletas deste ano?
Conselhos… são tantos! Simplificando:

  • Estejam bem preparados fisicamente com treinos que simulem a prova com a mochila carregadinha às costas
  • Façam teste com o equipamento e com os alimentos
  • Treinem antes com o equipamento de GPS
  • Sigam à letra as informações enviadas no regulamento
  • Estudem o percurso no Google Earth
  • Na partida, estejam relaxados (como se fosse possível). Estão lá porque querem, têm de estar felizes e bem-dispostos. Têm de acreditar em vocês e que são capazes
  • Não façam nenhuma loucura, a prova é longa… São 281 km mais uns trocos
  • Tomem atenção aos sinais do vosso corpo
  • Façam uma boa gestão do esforço. Hidratar-se e alimentar-se antes de ter sede e fome
  • Descansar nas bases de vida
  • Dormir uns minutos ou pelo menos sentar e fechar os olhos durante 10 minutos já ajuda bastante
  • Fazer a manutenção dos pés

Dos 281 km, como dividiria a prova? Momentos mais “calmos”, os mais complicados, a melhor hora para recuperar, evitar ao máximo certo hora naquele local, etc.?
A prova, nestas seis edições, tem basicamente dois percursos diferentes, havendo ajustes de ano para ano em certos segmentos. A sexta edição volta a ter a mesma partida que na primeira e segunda edição. São duas provas diferentes. Com partida em Belmonte, a prova tem o acumulado da altimetria mais bem distribuído ao longo do percurso, mas tem um senão: o Vale da Morte aparece com mais de 80 km nas pernas. Depois de Idanha até Lentiscais são 43 km duros, com pouca altimetria mas desprovidos de sombra. Por isso, evitar este troço na força do calor é o ideal. Se estiver na base de vida na força do calor, há que aproveitar para descansar.

LEIA TAMBÉM
Filipe Conceição: «Os quatro anos na PT281+ me preencheram bastante»

Qual o principal erro que um corredor pode cometer no PT281+?
O maior erro no PT281+, e um dos meus conselhos, é entrar num ritmo de esforço mais elevado do que devia e não fazer uma boa gestão na hidratação.

Evidentemente que o PT281 é muito mais do que uma simples prova. O que gostaria de destacar em relação ao exterior da prova?
As amizades que se fazem.

Tem uma vasta experiência em provas de ultradistâncias. Que recomendação daria para os organizadores da PT281+? Ou acredita que a prova está muito próxima da perfeição?
Não tenho muito a acrescentar. A prova vai na sexta edição e os ajustes a fazer já estão acertados. A organização faz um excelente trabalho colocando os participantes sempre em primeiro lugar e garantindo que não falta nada em termos de apoios logísticos e segurança. Eu fui lá quatro vezes sem equipa de apoio e terminei as quatro vezes sem precisar de mais ajuda exterior para além da que a organização disponibilizou.

Por último, poderia dar 5 conselhos para os corredores deste ano para a PT281+?
Cinco conselhos em cinco verbos:

  • Desfrutar
  • Comer
  • Beber
  • Dormir
  • Conviver

FOTOS: João Delgado