André Pereira, vencedor da Portugal 1001, prova de 1001 km em 14 etapas, revelou que começou a correr há dois anos…

Poderia falar um pouco da sua preparação para a prova? Quando começou? Volume de quilómetros semanais? Treinos em estrada, montanha ou ambos? Etc.
O mundo das corridas começou para mim precisamente nos princípios de junho de 2019. Frequentava então um ginásio e todas as quartas-feiras havia uma aula de running. Decidi começar a correr, mas foi um enorme desafio. Fazia cerca de 3,4 km e já não aguentava mais. Mas nunca desisti de tentar, de superar a cada aula. Passado um mês fiz a minha primeira prova de Trail com 16 km. A minha superação e o convívio existente entre atletas e amigos serviram de alavanca para nunca desistir de sonhar e aumentar os desafios. Cedo percebi que, não sou atleta de velocidade, mas tenho em mim uma enorme capacidade de resistência.


Ao fim de 8 meses de várias provas, desafiei-me a fazer a primeira prova de 3 dígitos, os 111 km da Serra do Sicó, prova essa que superei com sucesso. Ao fim de um ano dei por mim a concluir a PT281. Daí em diante fui sempre em busca de desafios diferentes, mas também de maior dificuldade.
Surgiu então a Portugal 1001, um mega-desafio que tinha de ser muito bem preparado. Pedi apoio a um amigo e o meu treinador, o Paulo Amaral, para me aconselhar e criar métodos de treino adequados à loucura. Ele preparou-me  semanalmente um plano específico de treino durante mais de 70 semanas, quase um ano e meio antes do início da prova. Semanalmente fazia sempre entre os 100 e os 140 km de corrida. Geralmente treinava em estrada durante a semana. Ao sábado fazia bicicleta e, ao domingo, fazia treino em serra e trilhos, chegando a fazer treinos  entre os 40 e 100 km.

Já passado uma semana, como foi a sua recuperação? Parou por completo? Pequenas corridas? Etc.
Após a prova parei 3 dias por completo. Depois reiniciei os treinos com algumas caminhadas e uma corrida muito ligeira.

LEIA TAMBÉM
André Pereira: «Após ter vencido cinco etapas, alimentei a possibilidade de vencer a Portugal 1001» (Parte 1)
André Pereira: «Não levei comigo nenhuma estratégia para a Portugal 1001»

(Parte 2)

Acredita que a corrida tem pernas para andar no futuro? E qual recomendação daria à organização?
Esta foi uma edição piloto, mas muito bem sucedida no meu ponto de vista. Vejo esta prova a ter muito sucesso futuro. A nível organizativo não tenho pontos a acrescentar, todos foram extraordinários. Acredito que possa haver pequenas arestas a limar, mas foi uma prova TOP.

O que significou para o André correr 1001 km? 
Para além de ter sido um dos 15 pioneiros e escrever o meu nome como primeiro vencedor da prova, significou que o ser humano tem um poder enorme de se transformar, de se adaptar ao meio a que é submetido e de ultrapassar todas as suas limitações quando se vê em dificuldades. 

E qual o principal ensinamento que o André Pereira retira da Portugal 1001?
O principal ensinamento que levo daqui foi que, quando se sonha com algo e por mais difícil que seja realizar esse sonho, nunca nos devemos dar como vencidos, devemos confiar em nós e acreditar. Sempre…

FOTO: Facebook