Atleta é ajudada por três corredores e termina a Meia-maratona de Filadélfia

Um dos momentos mais marcantes da recente Meia-maratona de Filadélfia, na sua quarta edição, foi protagonizado por uma mulher, que, extenuada, esteve muito próxima de se desvanecer a poucos metros da meta. A corredora apenas terminou a corrida devido ao apoio de três corredores, que ignoraram os seus tempos pessoais para ajudar. Um deles levou inclusive a atleta no colo…

 

Com um percurso mais rápido e mais “turístico”, já que foi realizado no interior da cidade, a Philadelphia Love Run Half Marathon teve como vencedores Darryl Brown (1h11m18) e Siobhan O’Connor (1h24m19).

Todavia, foi o momento da corrida protagonizado por quatro corredores que acabou por ser notícia um pouco em todo o mundo devido aos posts das redes sociais. No vídeo vemos uma atleta em agonia e quase a cair quando é amparada por dois corredores, que abdicam do seu tempo pessoal para ajudar.

LEIA TAMBÉM
Vai correr 10km ou 21km? Leia estes conselhos

Pouco depois, outro corredor vê a agonia da atleta, pára e ajuda os outros dois, carregando nos braços a aflita corredora, que volta a pisar o chão precisamente para cortar a meta.

Veja o vídeo:

Outro instante “significativo” foi quando um T-Rex também cruzou a meta, embora demonstrando estar em plenas condições físicas, apesar do baloiçar da sua cabeça assim não demonstrar…

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos