Sem nada para fazer no fim-de-semana? E que tal um documentário sobre Jim Walmsley, uma referência do Trail nos dias de hoje?

«Lighting the Fire, Wrong Turns» é um dos mais recentes documentários obrigatórios do Mundo do Trail. Realizado por Matt Trappe, o filme aborda a vida do ultramaratonista Jim Walmsley, uma das referências da modalidade nos dias de hoje.      

 

Jim Walmsley surpreendeu tudo e todos na mítica Western States 100 2016, quando, após liderar a prova durante vários quilómetros, enganou-se e acabou por perder uma vitória mais do que certa. Em 2017, na mesma prova, e depois de um forte ataque inicial, com recordes atrás de recordes nas parciais, acabou por ceder e perder novamente a Western States 100, um dos sonhos de qualquer ultramaratonista, principalmente nos Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM
Estratégia errada de Walmsley “oferece” vitória para Ryan Sandes na Western States 100
Jim Walmsley espera não se perder novamente na Western States 100

«Como uma volta equivocada pode alterar a tua vida» é o mote do documentário, que apresenta a perfomance de Walmsley na Western States 100 do ano passado como fio condutor. Oportunidade de ouro para conhecermos melhor este brilhante atleta, que foi salvo devido ao Trail, após ter vivido uma depressão.

Simplesmente imperdível!

 

 

 

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos