King Kong não tem medo de caveiras

Kong, King Kong está de regresso, desta vez não para assolar Nova Iorque, mas no seu meio, concretamente uma ilha, onde nem é a criatura mais perigosa. «Kong: A Ilha da Caveira», realizado por Jordan Vogt-Roberts, recoloca novamente uma das figuras ícones do cinema em foco.

 

Quem espera rever o Kong de Peter Jackson, o melhor é nem sair de casa. Na verdade, «Kong: A Ilha da Caveira» tem o mérito de fugir a sete pés da franquia, não pretende ser uma reverência ao seu passado, pelo contrário. Uma decisão errada? Não de todo, já que Jordan Vogt-Roberts consegue colocar o seu cunho pessoal e oferece ao cinéfilo um novo olhar sobre o “gorila gigante” que assolou o cinema desde sempre.

De notar no entanto que o realizador não se desfaz de toda a cultura pop construída por King Kong nas suas versões anteriores. O que Jordan Vogt-Roberts faz é agregar “pozinhos” do passado, “sujando” de forma brilhante o seu filme, que está centrado na linguagem popular dos nossos dias, muito próxima dos videojogos e da BD.

Na realidade, Jordan Vogt-Roberts brinca com os estereótipos dos filmes de ação e por isso dá ao cinéfilo o que ele pretende: o inevitável herói (Tom Hiddleston), a mocinha (Brie Larson) e o tresloucado (Samuel L. Jackson). Ou seja, não há aqui novidades dramáticas, não é definitivamente essa a intenção do realizador, que acima de tudo procura uma linguagem cinematográfica diferente. E, felizmente, consegue.

Não é só em Nova Iorque que a vida não corre bem a King Kong…

O ritmo do filme raramente cai e o espetador jamais consegue descansar do frenesim proporcionado pelo realizador, que assume desde o início que o seu filme é “descartável”, mas nem por isso menor. É impossível não aplaudir a montagem do filme, a sucessão de mudanças de pontos de vista e, principalmente, as soluções visuais.

Jordan Vogt-Roberts oferece deste modo um filme que tem a personalidade de assumir o que é: um blockbuster que será esquecido pouco depois de deixarmos o cinema. Todavia, enquanto estivemos no escuro da sala, a verdade e que passámos belos momentos junto de Kong, King Kong.

 

Ficha técnica:
Título em português: «Kong: A Ilha da Caveira»
Título original: «Skull Island»
De: Jordan Vogt-Roberts
Com: Brie Larson, Tom Hiddleston e Samuel L. Jackson
Género: Aventura
País: Estados Unidos/Vietname
Duração: 118 minutos
Ano: 2017

LEIA TAMBÉM
Tudo o que toca Matthew McConaughey vira ouro

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos