PASSATEMPO: livro «O que nasce torto também se endireita»

O jornalista João Moleira admitiu que é um curioso, «por defeito profissional, mas já o era antes disso». Por isso, a existência do livro «O que nasce torto também se endireita», editado pela Manuscrito, acaba por ser algo natural. Nele podemos encontrar várias histórias que marcaram a história da humanidade, inclusive a criação da Adidas e da Puma, tudo devido a uma desavença entre os seus criadores.

 

O inventor dos patins, a plasticina, o disco voador fribie, o leite condensado, o buraco do donut, a Coca-Cola, o ténis, a fotografia sobreposta, o porquinho-mealheiro, os cones de gelado, o pacemaker, a insulina, Steve Jobs, o mau dançarino Fred Astaire, o «mentalmente lento» Albert Einstein, a história do criador do Whatsapp, os rejeitados U2, Aurea, Gisele Bundchen, o Big Bang, o exército de Terracota, etc.

LEIA AQUI
João Moleira: «Preciso treinar mais para obter bons resultados»

No total, João Moleira revela no seu livro mais de 100 pequenas histórias, muitas delas essenciais para a evolução do Homem. Acasos felizes que acabaram por reescrever a própria História da Humanidade.

CLIQUE AQUI PARA PARA PARTICIPAR NO PASSATEMPO

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos