Do cansaço da corrida para o Ironman de Nice

Cansado dos treinos de Corrida e Trail, Gildo Silva decidiu há três anos, devido aos seus 30 anos, experimentar o Triatlo. Hoje a modalidade faz parte do seu dia a dia. O mais recente foi o Ironman Nice, considerado um dos cinco mais difíceis do Mundo. Nesta primeira parte abordamos a preparação e as razões da sua escolha. Amanhã, quinta-feira, publicaremos a prova, que comprovou ser uma das cinco mais difíceis do Mundo…

 

Chamo-me Gildo Silva, tenho 32 anos, natural de Pisões (concelho de Alcobaça) e estou no mundo do Triatlo há 3 anos.

Tudo começou quando tinha 29 anos, já exausto de competições e treinos de corrida, Trails e Ultra Trails, Maratonas e Meias-maratonas. Queria marcar a passagem para os meus 30 com algo diferente do habitual e do nada apareceu a ideia de realizar um Ironman.

Já atleta desde os meus 12 anos, iniciei-me com a modalidade de Orientação na escola. Com diversos títulos regionais, federei-me, conseguindo ser campeão regional e nacional diversas vezes. Comecei também a nadar e a entrar na competição, estando na mesma durante 4 anos. Quanto à bicicleta, sempre andei de bicicleta, desde que me lembre…

Ou seja, estavam reunidas as bases para que o meu sonho fosse para a frente e assim foi. Nesse mesmo ano participei uma prova de Triatlo curto cá em Portugal. Tentei obter o máximo de informação possível com amigos, pesquisas na internet, regras, experiências, etc. Inscrevi-me e fui sozinho para a Alemanha fazer o Campeonato da Europa de Ironman 70.3 (metade das distâncias de um Ironman), ainda sem qualquer tipo de experiência em triatlos. 

Desde então fiquei maravilhado com toda a logística, ambiente e experiências em torno de uma prova destas dimensões. No ano seguinte, altura em que completei os meus 30 anos, estava em Zurique para fazer o “meu” ambicionado Ironman (3,8 km de natação, 180,2 km de bicicleta e 42,2 km de corrida).

Desta vez, a experiência tinha sido ainda maior. O desafio das distâncias, que são surreais para muita gente, no meu lugar fascinava-me completamente. Percorridas 10h45 de esforço intenso, a chegada à meta valeu por tudo.

Tenho realizado então uma prova de Ironman por ano. No ano passado ainda consegui bons patrocínios e isso ajudou muito, algo que, em Portugal, é extremamente difícil de acontecer. Hoje, já sem qualquer tipo de apoio, faço somente um. O custo da inscrição, a viagem, a estadia é algo realmente muito dispendioso.

Beleza e sacrifício em Nice 

A escolha deste ano recaiu no Ironman de Nice (França), um dos cinco mais difíceis do mundo. Estava lançado o desafio… Mas se o meu objetivo no primeiro Ironman era simplesmente acabar a prova, este ano o intuito era baixar das 10h00. No entanto, sabia que seria extremamente difícil o fazer, dada a complexidade da prova em si e das condições, concretamente a elevada temperatura ambiente e um percurso de bicicleta extremamente exigente.

Acompanhado por um amigo treinador, a preparação mais específica começou a ser realizada uns 4 meses antes da prova. Coisas como 5h00 de bicicleta, séries e rampas na corrida, natação em piscina e no mar, muitas vezes sozinho, era “prato do dia”. No fim-de-semana… treinos bi-diários pelo meio e transições.  A acompanhar isto, uma alimentação variada, massagem e descanso. Confesso que temos de abdicar de muita coisa nesta preparação, tais como jantares com amigos, álcool, saídas à noite, competições, etc. Tudo em prol dos treinos que temos de realizar nos dias seguintes.

Quando realizo um Ironman, independentemente do local, procuro sempre um sítio diferente de onde já estive, de modo a conseguir conhecer posteriormente a zona. A cidade de Nice ficou-me marcada, não só pela experiência que viria a ter, mas como as pessoas, o sol, a praia, as esplanadas, o calor, o mar azul, as montanhas…

 

Gildo Silva faz do triatlo uma "desculpa" para conhecer locais, como Nice
Gildo Silva faz do triatlo uma “desculpa” para conhecer locais, como Nice
Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos