Estafetas mistas promete revolucionar o Triatlo em Tóquio2020

A entidade que rege o Triatlo mundial, a ITU, acredita que a estafeta mista, com dois homens e duas mulheres, poderá revolucionar a modalidade a nível mundial, acrescentando ainda mais espetáculo ao sempre espetacular evento que é o Triatlo.

 

A ITU revelou que pretende contar com, no mínimo, oito seleções (12 no máximo) para disputar a estafeta mista em Tóquio2020, o que acontecerá pela primeira vez na história da modalidade. No entanto, cada país apenas poderá contar com os atletas qualificados para a categoria individual para esta nova prova (de referir que a ITU pretende limitar o número de atletas por países, procurando “abrir” mais vagas para outras nações. O objetivo é aumentar a competitividade na qualificação, já que, das nove nações que podem levar três atletas, a entidade pretende reduzir para cinco).

O grande motivo de interesse da estafeta mista é ser uma prova explosiva, já que cada atleta é obrigado a dar o seu máximo em cada segmento para não defraudar o resultado final dos seus companheiros, ao contrário das provas individuais, onde a gestão do esforço acaba por ditar o resultado de cada atleta.

A ITU aposta precisamente nessa divergência existente entre as duas provas, aumentando assim a diversidade competitiva da modalidade. Recorde-se que o Benfica é o atual campeão europeu de triatlo em estafetas mistas, título conquistado ainda este ano.

LEIA TAMBÉM

A corrida definiu o Europeu de Triatlo de Clubes

“Super Mario” Mola conquista o título Mundial de Triatlo

Bicampeã mundial e campeã olímpica de triatlo Gwen Jorgensen vai virar maratonista

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos