O vertiginoso sprint de Stian Angermund-Vik na Meia-maratona da Transvulcania

Vencedor da Meia-maratona da Transvulcania, o norueguês Stian Angermund-Vik impressionou tudo e todos com a sua performance, registando um novo registo para o percurso. A velocidade que alcançou é algo absolutamente incrível…

 

Stian Angermund-Vik terminou a prova em 2h13m34, menos seis minutos do que o anterior recorde da Meia-maratona da Transvulcania (24,28 km). No entanto, o norueguês impôs o seu ritmo apenas depois do passo de Las Deseadas, a 2.000 metros de altitude, fruto da pressão do japonês Rui Ueda.

No vídeo abaixo é possível verificar a incrível velocidade alcançada pelo atleta nórdico, assim como a sua técnica para não cair, apesar da irregularidade do terreno, assim como os “obstáculos” humanos que aparecem à sua frente.

Nota também para o autor das imagens, Biel Ràfols, que teve fôlego para acompanhar o impressionantes ritmo de Stian Angermund-Vik…

Transvulcania, isla de La Palma Media Maratón 🏃‍♂️🎥 Biel RàfolsSalomon Running

Publicado por Stian Angermund-Vik em Sábado, 12 de Maio de 2018

 

Na prova feminina, a primeira a cortar a meta foi a espanhola Laura Orgué, com o tempo de 2h45m52. Atrás ficaram Eli Gordon (2h52m32) e Christel Dewalle (2h52m35). 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos