A Montanha derrotou novamente o Homem na emblemática Barkley Marathons

Considerada por muitos a prova mais dura do Mundo, a Barkley Marathons não teve finalistas este ano. Desde 1986, data da primeira edição, apenas 15 atletas conseguiram completar a corrida…

 

A Barkley Marathons presta uma homenagem ao líder negro, reeditando a fuga protagonizada por James Earl Ray em 1977 após fugir da prisão estatal Brushy Mountain. Quem foi James Earl Ray? O assassino de King… 

São 160 km de inferno, como provam os números da Barkley Marathons desde 1986. Este ano, novamente não houve finalistas, já que ninguém conseguiu completar as cinco voltas completas em menos de 60 horas, ultrapassando 160 km e um desnível de 16500 metros. E na linha de partida estiveram 40 atletas.

LEIA TAMBÉM
Um curto documentário explica o fascínio e a dureza da Barkley Marathons

E que tal ver no feriado um documentário sobre uma das provas mais duras do Running?

O nome desta edição foi Gary Robbins, do Canadá. Depois de duas cruéis eliminações nas duas últimas edições, o canadiano esperava finalmente terminar a corrida, um dos sonhos de qualquer atleta do Trail. No entanto, das cinco voltas, apenas conseguiu terminar três.

Estrangeiros dominam a Barkley Marathons 

Outro dado a salientar da edição deste ano foi o domínio dos atletas estrangeiros. Dos cinco corredores que começaram a terceira volta, concretamente Gary Robbins, Allie Beaven, Guillaume Calmettes, Johan Steene e Valery Caussarieu, nenhum nasceu nos Estados Unidos.

Recorde-se que, no ano passado, apenas um atleta conseguiu concluir as cinco voltas, John Kelly, com o registo de 59h30m53 (em 2016, tinha terminado a sua participação na quarta volta). 

No historial da Barkley Marathons, apenas 15 atletas terminaram a corrida, sendo Jared Campbell o corredor com mais “títulos”, três no total. Brett Maune soma duas.

REGISTOS DA BARKLEY MARATHONS

1995 
Mark Williams, 59h28m48

2001
David Horton, 58h21m00
Blake Wood, 58h21m01

2003
Ted “Cave Dog” Keizer, 56h5752

2004
Mike Tilden, 57h25m18
Jim Nelson, 57h28m252008
Brian Robinson, 55h42m27

2009
Andrew Thompson, 57h37m19

2010
Jonathan Basham, 59h18m44

2011
Brett Maune, 57h13m33

2012
Brett Maune, 52h03m08 (atual recorde)
Jared Campbell, 56h00m16
John Fegyveresi, 59h41m21

2013
Nick Hollon, 57h39m24
Travis Wildeboer, 58h41m45

2014
Jared Campbell, 57h53m20

2016
Jared Campbell, 59h32m30

2017
John Kelly, 59h30m53

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos