Corrida vitoriosa de Pau Capell do início ao fim na Transgrancanaria

Pau Capell ganhou este sábado a Transgrancanaria, a terceira etapa do Ultra Trail World Tour após o evento ter passado por Hong Kong e Nova Zelândia. O catalão controlou a corrida desde o início e o seu triunfo jamais esteve em causa, registando inclusive um novo recorde da prova.

Capell terminou a prova com o tempo de 13h21m03 e conseguiu controlar os ataques de Jordi Gamito e Diego Pazos, na primeira parte da prova, de Roque Nublo, cerca da metade, e, finalmente, de Vaidas Zlabys, que ainda alcançou uma desvantagem de nove minutos na parte final.

Zlabys acabou a corrida com o tempo de 13h35m38, enquanto Didrik Hermansen (13h50m06) acabou no último lugar do pódio, numa corrida de recuperação realmente impressionante.

Perfil da principal prova da Transgrancanaria, com 125 km

Perfil da principal prova da Transgrancanaria, com 125 km

No seu curriculum, Capell apresenta na Transgrancanaria um triunfo na Advanced (84 km), em 2015, e um terceiro lugar na prova principal, no ano passado, a mesma que venceu este sábado. De referir que o catalão foi um dos integrantes da seleção espanhola que participou e ganhou a medalha de prata no Mundial em Portugal do ano passado.

A Transgrancanaria conta com seis pontos para o Ultra Trail du Mont Blanc, principal referência do Ultra Trail no continente europeu.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos