Cat Bradley estabelece o novo recorde do Grand Canyon Rim-to-Rim-to-Rim

A norte-americana Cat Bradley, campeã da Western States 100 Endurance Run, uma das provas de Trail mais significativa da modalidade, estabeleceu o novo recorde do Grand Canyon Rim-to-Rim-to-Rim (67,59 km), superando um registo que já durava seis anos.

 

Com apenas 25 anos, Cat Bradley termina um ano de sonho. Bradley, oriunda de Boulder, Colorado, além do triunfo na da Western States 100 Endurance Run em junho, alcançou ainda o recorde de Rio Del Lago 100 Miler (novembro de 2016) e o triunfo no Canyons Endurance Runs 100K (abril de 2017).

 

 

Agora, para fechar o ano, um novo recorde, desta vez num percurso bastante complicado devido ao seu desnível positivo, com mais de 6500 metros acumulados. Cat Bradley registou o tempo de 7h52m20, superando o ex-recorde de Bethany Lewis, alcançado em 2011, em mais de 20 minutos.

«Estou bastante feliz com o recorde. De modo algum foi um dia perfeito, mas é muito bom ter finalmente alcançado este objetivo.»

De referir que o recorde masculino está na posse de Jim Walmsley, com 5h55m20, alcançado em outubro de 2016.

LEIA TAMBÉM

Veja um documentário de Jim Walmsley, que se perdeu a oito quilómetros da vitória na Western States 100

Estratégia errada de Walmsley “oferece” vitória para Ryan Sandes na Western States 100

Sexagenária termina Western States Endurance Run (160 km) a nove segundos do tempo limite

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos