Inscrições abertas para “a mais bonita corrida no deserto da atualidade”

Considerada por muitos como a mais bonita corrida no deserto da atualidade, as inscrições para a Le TREG (junção das palavras Trail e Reg, que carateriza o espaço desértico onde é realizada a prova), no Chad, na África Central, já estão abertas. O traçado é contemplado com terrenos desérticos de areia e de rochas muito variadas. A prova principal contempla 180km, com um Desnível Positivo de cerca de 2400 metros. Mas há outras distâncias por desfrutar no deserto…

 

O Chad continua ainda hoje a ser um país desconhecido para muitos e por isso as suas regiões naturais são praticamente virgens, estando deste modo bem conservadas. A organização resume o Le Treg em seis valores: aventura, autenticidade, convivência, solidariedade, segurança e respeito pela natureza e os locais.

A prova principal é uma etapa “non-stop”, em autossuficiência alimentar e um tempo limite de 65 horas, com a navegação a ser realizada através de um GPS, fornecido pela organização.

Há alturas em que uma ajuda extra seria bem-vinda no El Treg…

Além da prova principal, que muitos consideram hoje a mais bonita corrida no deserto, muito devido as suas paisagens, há mais duas provas: o Half TREG, com cerca de 90 km e 1200 metros de desnível positivo (tempo limite: 30 horas) e a TREG Marathon, com cerca de 45km e 600 metros de desnível positivo (15 horas).

A prova realiza-se entre 28 de janeiro e 5 de fevereiro do próximo ano.

 

Os três percursos da prova
Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos