Yuki Kawauchi 2019: duas Maratonas, duas vitórias

Ao contrário do que todos esperavam, o ritmo do japonês Yuki Kawauchi continua imparável. No seu primeiro ano como profissional, muitos acreditavam que o nipónico iria abrandar a sua participação em provas. Pura ilusão… No passado domingo, o “Corredor do Povo” alcançou a sua segunda vitória este ano numa Maratona.

 

Após o triunfo na Ibusuki Nanohana Marathon, com o tempo de 2h14m21, no passado dia 13 de janeiro, Kawauchi voltou a correr oficialmente mais 42195 metros, desta vez a Maratona de Shizuoka, no passado dia 24. Novamente vencedor, o corredor mais emblemático do Sol Nascente terminou a prova com o tempo de 2h13m41.

Com este resultado, Kawauchi alcançou o seu 52.º tempo Sub-2h14 da sua carreira, algo realmente impressionante. Desde que começou a correr, em 2009, o japonês Kawauchi iniciou e terminou 91 Maratonas.

Atual vencedor da Maratona de Boston, o seu principal feito desportivo até ao momento, o agora corredor profissional vai defender o título conquistado no ano passado no próximo dia 15 de abril. Depois, um merecido descanso? Nem pensar, já que o nipónico já confirmou a sua presença na Maratona de Vancouver, a 5 de maio…

Resultados de Kawauchi

27 vezes Sub-2h12

43 vezes Sub-2h13

52 vezes Sub-2h14

60 vezes Sub-2h15

70 vezes Sub-2h16

76 vezes Sub-2h17

80 vezes Sub-2h18

85 vezes Sub-2h19

86 vezes Sub-2h20

Os seus melhores resultados, por ano, são os seguintes:

2009 ➜ 3 Maratonas ➜ 2h17m33

2010 ➜ 2 Maratonas ➜ 2h12m36

2011 ➜ 5 Maratonas ➜ 2h08m37

2012 ➜ 9 Maratonas ➜ 2h10m29

2013 ➜ 11 Maratonas ➜ 2h08m14

2014 ➜ 13 Maratonas ➜ 2h09m36

2015 ➜ 13 Maratonas ➜ 2h12m13

2016 ➜ 9 Maratonas ➜ 2h09m01

2017 ➜ 12 Maratonas ➜ 2h09m18

2018 ➜ 12 Maratonas ➜ 2h11m29

2019 ➜ 2 Maratonas ➜ 2h13m41

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos