Sinead Diver vence Maratona de Melbourne com 41 anos e o melhor tempo da carreira

Irlandesa de nascimento e naturalizada australiana em 2002, Sinead Diver surpreendeu tudo e todos ao vencer a Maratona de Melbourne aos 41 anos. E com recorde da prova e pessoal…

 

Diver tinha 2h31m37 como melhor tempo pessoal na Maratona, tempo obtido em março do ano passado, concretamente na Maratona de Nagoia. No entanto, no último domingo, alcançou o seu melhor registo na distância, correndo as ruas de Melbourne em 2h25m19 (o anterior tempo da prova era de Lisa Weightman, 2h26m05, alcançado em 2013).

LEIA TAMBÉM
Suíço Julien Wanders regista novo recorde europeu nos 10 km estrada

Como curiosidade, de referir que nenhuma maratonista europeia corre melhor do que este tempo desde 2016 (Diver naturalizou-se australiana em 2002). No entanto, e também como curiosidade, o melhor registo de uma maratonista irlandesa está na posse de Catherina McKiernan (2h22m23, em novembro de 1998, na Maratona de Amesterdão).

Sinead Diver ganhou 25 mil euros

O tempo de Diver foi o quarto tempo de sempre de uma atleta australiana, sendo também o quarto tempo de uma Maratona em solo local, sendo apenas superada pelas três australianas que correram a Maratona nos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000.

Com a vitória e o recorde da corrida, Diver, que começou a correr em 2010 após o nascimento do seu primeiro filho, levou para casa um cheque de cerca de 25000 euros.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos