Joshua Cheptegei alcança o novo recorde do Mundo nos 15 km

Depois de algumas tentativas, finalmente Joshua Cheptegei, do Uganda, alcançou o recorde do Mundo nos 15 km. Como era de esperar, aconteceu na sua prova de eleição, a Zevenheuvelenloop, em Nijmegen, na Holanda.

 

Vencedor das últimas três edições, Joshua Cheptegei, de 22 anos, confirmou o favoritismo e alcançou o seu principal objetivo, estabelecer um novo recorde do Mundo na distância.

Após 15 km, o ugandês correu os 15000 metros em 41m05, a uma média de 2m44/km. O anterior registo estava na posse do queniano Leonard Komon, com 41m13, um registo que já durava oito anos (curiosamente, ou talvez não, a marca foi alcançada precisamente na Zevenheuvelenloop, considerada uma das corridas mais rápida do Mundo).

Cheptegei correu os últimos 10 km em 26m57

Recorde-se que Cheptegei alcançou a medalha de prata nos 10 mil metros no recente Mundial de Londres. Em Zevenheuvelenloop, o ugandês regista os seguintes tempos:

2015: 42m39
2016: 42m12
2017: 41m16
2018: 41m04

Este ano, Cheptegei alcançou os seguintes tempos intervalados nos 5 km:

5 km: 14m07
10 km: 13m42
15 km: 13m15

Ou seja, nos últimos 10 km, o ugandês correu em 26m57.

Na prova feminina, a vitória sorriu a Stella Chesang, com 47m19. Atrás ficaram Evaline Chirchir, com 47m35, e Susan Krumins, com 47m41.

LEIA TAMBÉM
Mark Kiptoo estabelece novo recorde do Mundo da Maratona para atletas com mais de 40 anos

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos