Meia-maratona de Sevilha com recorde de inscrições

A organização da Meia-maratona de Sevilha, agendada para o dia 28 de janeiro, revelou que o recorde de inscrições da prova já foi superado. Neste momento, oito mil corredores pretendem correr a prova na Andaluzia.

 

Apesar de já ter superado o número de inscritos, ainda há dorsais disponíveis para a Meia-maratona de Sevilha, embora a organização acredite que os mesmos ficarão esgotados nos próximos dias. De referir que, em 2018, a prova contará pela primeira vez com uma corrida para crianças entre os 3 e 14 anos, concretamente a “Best Drive Kids Running”, que será realizada no dia 27 de janeiro e na pista de atletismo do estádio de La Cartuja.

As inscrições para a Meia-maratona de Sevilha do presente ano terminaram precisamente com 8000 inscritos. Para 2018, a organização resolveu aumentar o número de participantes em mais mil dorsais, cifrando a marca em 9000 corredores na linha da partida que esperam, 21,095 km depois, terminar a corrida em pleno estádio de La Cartuja.

De referir que a prova realiza-se poucas semanas antes da Maratona de Sevilha, agendada para 25 de fevereiro. Aliás, muitos corredores aproveitam a Meia-maratona para conhecerem parte do percurso da prova rainha, que, em 2018, ostentará pela primeira vez o título “Gold Label Road Race”, a principal distinção da IAAF.

LEIA TAMBÉM
Maratona de Sevilha conquista o Ouro da IAAF

 

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos