Carro guia erra o caminho e cinco atletas foram desqualificados quando lideravam a Maratona de Kassel

O insólito aconteceu na Alemanha, concretamente durante a Maratona de Kassel. Devido a um erro do carro guia, cinco atletas foram desqualificados da prova.

 

Segundo o site oficial da Maratona de Kassel, os cinco corredores que lideravam a corrida, quatro quenianos e um alemão, foram conduzidos no quilómetro 19 a um caminho que não fazia parte dos 42,195 km da prova. No final, os cinco corredores, do pelotão da elite da prova, acabaram por correr menos 5 km do estipulado.

«Pedimos desculpas a todos os corredores que não conseguiram terminar a corrida. Os atletas aceitaram as nossas desculpas e, obviamente, receberão uma indemnização», afirmou o organizador da Maratona de Kassel, Winfried Aufenanger.

Segundo a imprensa local, os cinco corredores receberam 1500 euros como compensação.

O vencedor da prova foi Maciek Miereczko, de 38 anos, que terminou a corrida no Kasseler Auestadion com o tempo de 2h27m39, Atrás ficaram Frederik Unewisse, com 2h31m02, e Oliver Hoffmann, com 2m33s37. Na prova feminina, estiveram no pódio a estreante Daisy Langat, com 2h39m30, Landsfrau Prisca Kiprono, com 2h47m28, e Silke Altmann, com 3h23m06.

 

Maciek Miereczko vence a Maratona de Kassel
Maciek Miereczko vence a Maratona de Kassel
Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos