Elías Chavete morre em plena prova

Elías Chavete, de 62 anos, sofreu um ataque cardíaco e morreu em plena prova no Trail de Favara (21 km/ D+ 1200m), em Valência, a quatro quilómetros do seu término. Bastante popular em Espanha, Chavete era “finisher”, por exemplo, de todas as 26 edições da Maratona de Badajoz, além das 34 edições da Maratona de Sevilha, sendo reconhecido no ano passado pela sua façanha.

 

Elías Chavete, casado e com quatro filhos, representava o Club Atletas Populares de Mérida. Este ano, por exemplo, terminou a Maratona de Sevilha com o tempo de 4h04m03.

LEIA TAMBÉM
Km a km, até o fim da Maratona de Sevilha

Maratona de Sevilha conquista o Ouro da IAAF

A sua morte causou uma onda de tristeza em Espanha, tal a popularidade de Elías Chavete no país vizinho. Como era de esperar, além dos organizadores da Maratona de Sevilha, também os organizadores da Maratona de Badajoz fizeram questão de mostrar a sua tristeza pela inesperada morte do atleta espanhol.

Elías Chavete será homenageado na Maratona de Sevilha em 2019

«Os nossos mais sentidos pêsames a toda a família do Atletismo emeritense pelo falecimento numa corrida de Trail, em Valência, de Elias Chavete. Entre os seus feitos, é o único atleta que tinha completado todas as Maratonas de Badajoz. Estamos tristes, desolados e afetados.»

LEIA TAMBÉM
Morte de Matt Campbell do MasterChef na Maratona de Londres desperta onda solidária

Hemos hablado con uno de nuestros ídolos, Elías Chavete, ha corrido las 32 ediciones anteriores y mañana estará de nuevo en la línea de salida 🙌🏼🙌🏼🙌🏼👏🏻👏🏻👏🏻

Publicado por Zurich Maratón de Sevilla em Sábado, 18 de Fevereiro de 2017

 

Refira-se que Chavete foi visitar o seu filho em Valência para visitar um filho, aproveitando a sua estadia para correr o Trail de Favara, o que acabou por ditar o seu falecimento.

LEIA TAMBÉM
Maratona do Mundial 2019 será realizada à meia-noite

«Com Elías morre a primeira geração de maratonistas da Extremadura. Começaram quando correr 10 quilómetros tinha mais de loucura do que de exibicionismo social. Nomes como Carmelo Durán, de Fregenal de la Sierra, Carlos Alcario, de Badajoz, ou os também emeritenses Miguel Ángel Contador e Diego Carrasco Lozano abriram passo para os atletas de hoje, que, domingo a domingo, colocam os seus dorsais», podemos ler no diário online Hoy.

Em 2017, a Maratona de Sevilha homenageou os atletas que terminaram todas as edições da prova. Elías Chavete foi um deles
Em 2017, a Maratona de Sevilha homenageou os atletas que terminaram todas as edições da prova. Elías Chavete foi um deles

Entretanto, a Maratona de Sevilha já revelou que, na edição de 2019, agendada para 19 de fevereiro, Chavete será recordado e homenageado.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos