Atletismo: final “a la Super-Homem” ganha seguidores nos EUA

Haverá, hoje em dia, alguém que não se surpreenda com o final protagonizado pelo atleta norte-americano Infinite Tucker, na prova dos 400 m barreiras? Pois bem, o “salto para a piscina” de Tucker parece querer começar a fazer escola!…

O caso, insólito, aconteceu durante os últimos Campeonatos Universitários da Conferência Sudeste dos Estados Unidos, mais precisamente na final dos 400 m barreiras. Prova em que atleta da formação Texas A&M, Infinite Tucker, decidiu tentar arrebatar a vitória da forma mais surpreendente possível: com um verdadeiro “salto para a piscina” sobre a linha de meta! (veja aqui).

Em clara perda à medida que se aproximava do final, Tucker atirou-se de cabeça sobre a linha de chegada, acabando mesmo por conseguir terminar em primeiro. Estratagema que lhe permitiu ainda fixar como marca final 49s38, um dos melhores registos da temporada na distância, nos EUA!

Mais um Super-Homem?

Louco ou não, a verdade é que o gesto de Tucker parece ter conquistado seguidores. A confirmá-lo, a acção desesperada levada a cabo, não por um, mas por vários jovens atletas do ensino secundário, numa corrida de 300 metros barreiras.

O triunfo acabou por pertencer a Tyler Flanagan, com o tempo de 39s38. O segundo classificado cruzou a meta com o registo de 39s42.

Veja como foi a incrível chegada “a la Super-Homem”

Eficaz ou não, fica a nossa preocupação quanto à possibilidade das finais “a la Super-Homem passarem a ser regra e não excepção…

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos