Calendário dos portugueses no Mundial de Londres

Marta Pen, nos 1500 metros, será a primeira portuguesa a participar no Mundial de Atletismo, que decorre em Londres entre 4 e 13 de agosto. Também no primeiro dia teremos no Estádio Olímpico David Lima, que vai participar na qualificação dos 100 metros. 

A primeira portuguesa numa final será Salomé Rocha, no dia 5 de agosto, sábado, nos 10000 metros. A distância tem uma baixa de peso para as cores nacionais, concretamente de Sara Moreira, que, devido a uma lesão, acabou por ficar em Portugal (leia aqui as declarações da atleta do Sporting).

No dia seguinte, domingo, 6 de agosto, Portugal participa da Maratona masculina e feminina, que serão realizadas no mesmo dia, embora em horas distintas. As esperanças de uma boa prestação estão na posse de Ricardo Ribas, Catarina Ribeiro e Filomena Costa.

No dia 7, olhos postos em Patrícia Mamona, no triplo salto, uma das esperanças nacionais na obtenção de uma medalha. Evidentemente caso alcance a final da disciplina… Mesmo discurso para Nélson Évora, também no triplo salto, com a final agendada para o dia 10 de agosto.

As esperanças renascem apenas no último dia da competição, dia 13 de agosto, concretamente com Inês Henriques, nos 50 km marcha, prova na qual é recordista mundial e que faz a sua estreia no calendário do Mundial. Nota também para Ana Cabecinha (nos 20 km) e João Vieira (50 km), ambos na marcha.

O Mundial de Londres poderá ser acompanhado em direto na RTP 2, mas também na Eurosport.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos