Federação Portuguesa de Atletismo critica atitude da Associação Europeia de Atletismo

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) mostrou publicamente a sua indignação após a Associação Europeia de Atletismo ter revelado que pretende anular todos os recordes da Europa e do Mundo anteriores a 2005. 

«A FPA estranha a divulgação pública de uma proposta desta natureza sem que a mesma tenha sido debatida na Convenção da Associação Europeia com todas as Federações Membro. A Convenção não mandatou o Conselho para tomar qualquer posição pública em relação a esta matéria sensível», revelou a federação na sua página oficial.

A entidade reconhece que a medida «até pode ser interessante, uma vez que atua sobre recordes que podem ter sido obtidos com recurso a substâncias proibidas», no entanto, ressalva, «será sempre uma injustiça para os atletas limpos, que, ao perderem os seus recordes, são tratados como se fossem atletas dopados, vendo os seus recordes apagados das listas».

A FPA salienta no seu comunicado público que a proposta da Associação Europeia de Atletismo, «a ser aprovada, não assegura que a partir de agora todos os resultados obtidos o sejam de forma “limpa”, devendo também a nossa preocupação, bem como a preocupação das instituições internacionais com responsabilidade na matéria, cair sobre a prevenção e sobre a investigação à origem dos casos existentes».

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos