Farah vai ensonbrar Bolt no primeiro dia do Mundial?

No primeiro dia do Mundial de Atletismo, esta sexta-feira, há apenas uma final, mas colocada estrategicamente pela organização, já que é a final dos 10 mil metros masculino, com Mo Farah em busca da sua terceira medalha de ouro. Mas hoje também há Usain Bolt.

No curriculum, entre outras vitórias, duas medalhas de ouro olímpica e duas medalhas de ouro mundiais nos 10 mil metros. Por isso, Farah é o principal favorito para o triunfo de hoje, ainda mais no ano da sua despedida, já que vai deixar de participar em provas de pista, apostando na Maratona na próxima temporada. Curiosamente, o atleta de origem somali despede-se dos grandes eventos no estádio em que se sagrou pela primeira vez campeão olímpico.

 

 

O que impressiona na carreira de Farah (veja o duelo do britânico com Gebreselassie e Bekele) é a sua constância, conseguindo competir com os atletas africanos (e vencer…). E é essa competitividade que todos os britânicos esperam que aconteça novamente no dia de hoje, às 21h20, logo no primeiro dia do seu Mundial. Na linha de partira estarão 25 atletas, com uma baixa significativa: o norte-americano Galen Rupp, vice-campeão olímpico precisamente em Londres, há cinco anos.

Os principais adversários de Farah são o etíope Abadi Hadis, atual líder do ano, e os quenianos Geoffrey Kamworor e Paul Tanui, medalha de prata no Mundial de Pequim e nos Jogos do Rio2016, respetivamente. 

O primeiro dia de Usain Bolt

No entanto, o primeiro dia do Mundial (veja aqui o calendário completo) também marca o primeiro dia do fim de Usain Bolt. O jamaicano despede-se do Atletismo mundial em Londres e hoje há eliminatórias dos 100 metros, com a final agendada para sábado. Não se espera grandes dificuldades para o jamaicano, o que certamente não acontecerá amanhã…

Nas eliminatórias também estará o português David Lima, que ambiciona um lugar nas meias-finais (tem o 15.º melhor tempo dos inscritos). O melhor registo do velocista é de 10s05, apenas superado a nível nacional por Francis Obikwelu (9s86 em Atenas2004, recorde europeu).

No entanto, é Marta Pen a primeira a pisar o Estádio Olímpico, nas eliminatórias dos 1.500 metros. A tarefa da portuguesa é complicada, já que, na sua qualificação, tem apenas o décimo melhor tempo (4m05s71), sendo que apenas as seis mais rápidas continuam em prova (haverá ainda mais seis repescadas). Veja aqui o calendário dos portugueses no Mundial de Londres.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos