Elaine Thompson venceu os 100 metros sem sapatilhas de bicos

A jamaicana Elaine Thompson continua este ano imbatível nos 100 metros. Na nona etapa da Liga Diamante, em Londres, a velocista venceu o hectómetro com uma sapatilha sem bicos…

 

Thompson lidera as casas das apostas para o Mundial, agendado para agosto, tal o seu domínio no presente ano. Em Londres, no Müller Anniversary Gamens, a jamaicana venceu com o tempo de 10s94, superando a holandesa  Dafne Schippers, três centésimas mais lenta. O duelo entre as duas atletas é um dos principais atrativos do Campeonato do Mundo de Atletismo.

O que impressiona no triunfo esperado de Thompson é ter calçado umas sapatilhas sem bicos, surpreendendo tudo e todos. No final, a velocista justificou a sua atitude como um ato de prevenção de lesão.

«Não estou segura, mas os bicos podem estar a prejudicar o meu tendão de Aquiles. Por isso, estou a correr assim», afirmou a jamaicana à Reuters.

Duelo Thompson-Schippers aguardado com expetativa

De referir que Thompson, campeã olímpica nos 100 e 200 metros, tem o melhor tempo do ano, 10s71, o que faz com que seja a principal favorita ao triunfo no Mundial de Londres, ainda mais quando não sofreu nenhuma derrota na temporada até ao momento.

No entanto, a holandesa Schippers, campeã mundial nos 200 metros, comprovou no fim-de-semana que está a melhorar prova após prova, embora seja complicado uma comparação de tempos devido a jamaicana ter corrido sem bicos.

Na prova masculina, e sem a estrela Usain Bolt, principal figura e vencedor do ano passado, o ganhador foi o britânico Chijindu Ujah, com 10s02, superando o compatriota James Dasalou (10s06). Ambos alcançaram os seus melhores tempos do ano.

A nona etapa da Liga Diamante comprovou que os britânicos aguardam com expetativa o Mundial, já que praticamente esgotaram o Estádio Olímpico, que acolherá novamente uma grande competição após os Jogos de 2012. O ambiente entre atletas e público também merece destaque, já que a comunhão entre ambos foi constante.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos