Kipchoge e Farah com Zoom Vaporfly Elite Flyprint na Maratona de Londres

A Nike revelou as sapatilhas que utilizarão Eliud Kipchoge e Mo Farah na Maratona de Londres no próximo domingo, as Zoom Vaporfly Elite Flyprint. O que impressiona é o seu peso, apenas 170 gramas, mas o destaque do modelo é a utilização da nova tecnologia da marca, a Nike Flyprint.

 

Com um “upper” que certamente não agradará a todos, as Zoom Vaporfly Elite Flyprint são a aposta da Nike para alcançar o triunfo na Maratona de Londres. Além do incrível peso das sapatilhas, apenas 170 gramas, saliência para a última inovação da marca norte-americana, a denominada Nike Flyprint, o primeiro upper têxtil em 3D num calçado desportivo, totalmente personalizado.

O upper da Zoom Vaporfly Elite Flyprint
O upper da Zoom Vaporfly Elite Flyprint

O tecido do upper na Zoom Vaporfly Elite Flyprint é bastante leve e  mais transpirável do que os tecidos apresentados em modelos anteriores da Nike, possibilitando deste modo a personalização da parte de cima das sapatilhas.

LEIA TAMBÉM
Correr sobre almofadas com o Dynaflyte 2

Tudo começa com a recolha dos dados do atleta, que depois são enviados para um complexo sistema informático, que confirma a composição ideal do material da Zoom Vaporfly Elite Flyprint, como podemos verificar no vídeo abaixo:

 

Quem já aprovou o modelo foi  Eliud Kipchoge, que já deu a sua opinião sobre o Zoom Vaporfly Elite Flyprint:

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos