Spotify deteta a passada e escolhe a música de acordo com o nosso ritmo de corrida

Spotify-Running-720x392

O novo Spotify Running promete revolucionar a maneira como ouvimos música enquanto corremos. A nova funcionalidade de uma das principais apps do mercado mundial deterá a passada e escolherá a música que ouviremos de acordo com o nosso ritmo de corrida.

 

Ajude-nos a manter o site ativo. Faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

A nova funcionalidade da Spotify dificilmente não conquistará os amantes do running que não dispensam uns “phones” na sua corrida. Através do acelerómetro dos nossos smartphones, a app deteta as nossas mudanças de velocidade e dá-nos literalmente música de acordo com o nosso ritmo. «Isso tudo em cinco segundos», garantiu a empresa, que apresentou algumas das suas novidades para os próximos meses.

De referir ainda que as músicas que ouviremos não serão aleatórias, mas terão em conta o nosso historial no Spotify. Ou seja, nada de ouvir géneros que não fazem parte do nosso ADN musical. Para aqueles que não conseguem manter um ritmo constante, a Spotify aliou-se a vários artistas, que criaram playlists de ritmo adaptáveis.

Esta nova funcionalidade estará disponível apenas no sistema operativo iOS, com a promessa da inclusão nos restantes sistemas muito em breve.

A Spotify anunciou ainda que estará disponível em pouco tempo nas apps Nike+ e RunKeeper, duas das mais utilizadas a nível mundial pelos corredores.

Spotify-Running1-720x392

 

LEIA TAMBÉM:
A importância (ou não) da música na corrida
Os prós e contras de correr com música

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos