Shaunae Miller-Uibo alcança novo recorde do Mundo dos 300 metros

Shaunae Miller-Uibo, de Bahamas, alcançou o novo recorde do Mundo nos 300 metros durante a Golden Spike de Ostrava.

Como melhor marca pessoal na distância, Miller-Uibo apresentava antes da corrida de Ostrava a marca de 35s45. No entanto, na República Checa, a atleta de Bahamas “voou” e alcançou o tempo de 34s41, superando o anterior melhor registo do Mundo, que era de 35s30 e estava na posse da mexicana Ana Guevara desde 2003.

LEIA TAMBÉM
Sara Meloni, de 7 anos, correu os 10 km em 44m44

Campeã olímpica dos 400 metros, Miller-Uibo foi mais rápida que as norte-americanas Brittany Brown (35s91) e Jaide Stepter (36s12).

De Grasse também brilha ém Ostrava

Na Golden Spike, destaque ainda para Andre De Grasse, do Canadá. Medalhista de prata nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro nos 200 metros e medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres nos 100 metros, o velocista venceu o duplo hectómetro com 19s91. “Zlata Tretra” superou o favorito Christian Coleman (19s92), recordista do Mundo nos 60 metros e prata no Mundial de Londres nos 100 metros.

De Grasse que ficou em segundo nos 100 metros, embora com o mesmo tempo que o vencedor, o norte-americano Mike Rodgers: 10s04. Na terceira posição ficou o chinês Xie Zhenye, com 10s06

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos