Rachid El Morabity confirma favoritismo e vence primeira etapa da Marathon des Sables

marat

Começou a Marathon des Sables, com o triunfo na primeira etapa a pertencer ao ultrafavorito Rachid El Morabity, de Marrocos, vencedor da prova em 2011, 2013, 2014 e 2015. A edição deste ano reúne mais de 1100 atletas. Agora é esperar para saber quantos terminam…

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

A primeira etapa foi disputada entre Ouest Erg Chebbi e Erg Znaigui (34 km), com El Morabity a registar 3h10m29. Atrás ficaram os compatriotas Moudouji Hammou (3h10m46) e Abdelkader El Mouaziz (03h11m04).

No feminino, o triunfo foi para a russa Natalia Sedykh, terceira em 2015, com 3h40m20. A francesa Nathalie Mauclair (03h57m30) e a detentora do título, Elizabet Barnes (04h10m57), completaram o pódio.

Recorde-se que a Marathon des Sables é o quarto compromisso do Ultra Trail World Tour 2016 e a edição deste ano é a mais longa desde a sua criação: 257 km em cinco etapas, além da etapa de solidariedade UNICEF.

A segunda etapa será disputada na segunda-feira entre Erg e Znaïgui Oued Moungaref (41,3 km).

dunes

Homens
1. Rachid El Morabity (MAR), 3h10m29
2. Hammou Moudouji (MAR), 3h10m46
3. Abdelkader El Mouaziz (MAR), 3h11m04
4. José Manuel Martinez (ESP), 3h20m30
5. Erik Clavery (FRA), 3:33 26

Mulheres
1. Natalia Sedykh (RUS), 3h39m01
2. Natalie Mauclair (FRA), 3h57m30
3. Elisabet Barnes (SWE), 4h10m57
4. Elisabet Howard (EUA), 04h17s50
5. Fernanda Maciel Moura (ESP), 4h10m49

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos