Portugueses vencem na Antártida

O comissário de bordo da TAP Manuel Machado e a assistente de bordo da companhia aérea portuguesa Filipa Elvas venceram esta semana a “White Continent 50k” e a “White Continent Marathon”, respetivamente, num evento realizado na Antártida.

 

«Prova duríssima, nevou do 5KM até ao fim, com rajadas de vento de 20 nós. 15 países representados!
Manuel Machado, brilhante nos 50KM, 1.º lugar também!
A vida é uma Maratona…
Estamos juntos, a correr ou a voar!», escreveu Filipa Elvas na sua página do Facebook, revelando com satisfação o seu complicado triunfo, após 5h06m36 de prova.

Manuel Machado sonha com triunfo na Oceânia

Já o comissário de bordo da TAP precisou de 4h57m24 para levar a bandeira de Portugal para o lugar mail alto do pódio dos 50 km, num evento que contou com 61 atletas provenientes de 15 países.

«Nevou a partir dos cinco quilómetros, mas eu fui sempre com o grupo da frente da maratona, a controlar quem estava na ‘ultra’. Fiquei em segundo na maratona e continuei. Com o avanço que tinha bastou-me controlar a prova para não me desgastar muito, já que estavam temperaturas muito baixas e um vento fortíssimo», disse Manuel Machado à Lusa.

De realçar que este foi o sétimo triunfo em Maratonas do português nos vários continentes. Falta apenas uma vitória na Oceânia para alcançar triunfos em todos os continentes.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos