Português Hélio Fumo ganha a Lyon Urban Trail

fumo1

Prova que ganha cada vez mais adeptos, a Lyon Urban Trail teve este ano um vencedor português: Hélio Fumo. A prova, de 35 km e com um desnível positivo de 1600 metros, é uma das referências neste novo tipo de eventos. Nota ainda para o segundo lugar da também portuguesa Inês Marques.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

Na sua décima edição, a prova francesa acolheu 10 mil participantes, número que superou todos os registos das anteriores edições. A prova, além da competição principal, acolhe outras três corridas: 23 km (+ 1200 metros), 12 km (+ 600 metros) e 8 km (+ 300 metros).

O triunfo final de Hélio Fumo causou alguma surpresa, já que não era um dos favoritos. No entanto, o português, com o tempo de 2h27m23, superou Sebastien Spehler, com o registo de 2h27m56 (liderou por mais de 25 km). Na terceira posição ficou Emmanuel Meyssat, com 02h34m33.

 

heliofumo
Hélio Fumo corta a linha de chegada

 

No feminino, a vitória surgiu a Lucie Jamsin, com 02h59m44, que travou um bom duelo com a portugusa Inês Marques, que registou 03h00m30. No último lugar do pódio ficou Anne-Sonia Provent (03h19m00).

De referir que a Lyon Urban Trail tem uma edição noturna, este ano agendada para o dia 5 de novembro (26 e 13 km). A segunda edição, ocorrida no ano passado, reuniu seis mil corredores.

LEIA TAMBÉM:
Lágrimas para comemorar a vitória do português João Oliveira na corrida mais longa em território europeu em estrada

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos