Meia-maratona dos Emirados Árabes Unidos com quatro das sete mais rápidas do Mundo

Joyciline Jepkosgei, campeã e recordista mundial, é uma das estrelas da Meia-maratona dos Emirados Árabes Unidos, que reunirá quatro das sete atletas mais rápidas do Mundo no próximo dia 9 de fevereiro.

 

No ano passado, a queniana Joyciline Jepkosgei estabeleceu por duas vezes o recorde do Mundo da Meia-maratona, sendo por isso a principal figura da Meia-maratona, que contará no entanto com outras estrelas, como é o caso de Mary Keitany, vencedora da Maratona de Londres e por três vezes vencedora da Meia-maratona… dos Emirados Árabes Unidos (de referir que Keitany correrá novamente este ano nas ruas da capital inglesa).

LEIA TAMBÉM
Meia-maratona dos Emirados Árabes Unidos em busca do recorde do Mundo

Joyciline Jepkosgei alcança o recorde do Mundo da Meia-maratona

Além de Jepkosgei e Keitany, nota também para as compatriotas Fancy Chemutai e Edith Chelimo, ambas com tempos inferiores a 66 minutos.

ELITE FEMININA

Joyciline Jepkosgei (KEN), 64m51 (recorde do mundo)

Mary Keitany (KEN), 65m13

Fancy Chemutai (KEN), 65m36

Edith Chelimo (KEN), 65m52

Gladys Cherono (KEN), 66m07

Eunice Chumba (BRN), 66m11

Joan Chelimo Melly (KEN), 66m25

Brigid Kosgei (KEN), 66m35

Caroline Kipkirui (KEN), 66m48

Lucy Cheruiyot (KEN), 67m23

Vivian Cheruiyot (KEN), 67m44

Naomi Jebet (KEN), 68m44

Helen Bekele Tola (ETH), 69m48

Degitu Azimeraw (ETH), estreia

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos