Maratona de Valência com um novo bloco de partida

A organização da Maratona de Valência, considerada recentemente pela Real Federação Espanhola de Atletismo como a melhor Maratona do país vizinho, revelou que a edição deste ano, agendada para o dia 2 de dezembro, terá um bloco de partida a mais.

 

A organização da Maratona de Valência revelou que o objetivo da novidade da edição deste ano é «ordenar os ritmos na saída e oferecer mais vantagens ao corredor popular», beneficiando assim, segundo as suas contas, entre 400 e 500 corredores.

Maratona de Valência com um novo bloco de saída
Maratona de Valência deste ano com uma novidade

Em termos de logística, a partida da Maratona de Valência terá na mesma quatro blocos horários (8h30, 8h36, 8h42 e 8h48), mas com nove blocos de partidas, um a mais do que nos anos anteriores. O novo bloco terá como limite 2h38m00, ou seja, estarão incluídos nesse espaço todos os corredores que conseguirem ter uma marca acreditados entre 2h25m01 e 2h37m59 (ou marcas equivalentes homologadas na Meia-maratona e 10 km). Portanto, atletas que corram a menos de 3m45/km.

Refira-se que a Maratona de Valência apresenta as melhores marcas da distância em Espanha. Recorde-se que o Mundial da Meia-maratona deste ano foi realizada precisamente na cidade espanhola. Os vencedores foram o queniano Geoffrey Kamworor e a etíope Netsanet Gudeta.

LEIA TAMBÉM
Gudeta é a nova campeã mundial da Meia-maratona com recorde do Mundo

Geoffrey Kamworor alcança “hat trick” no Mundial de Meia-maratona

Rob Pope correu como Forrest Gump na Maratona de Londres e superou um recorde

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos