Lesão pode tirar Bolt dos Jogos Olímpicos

bolt1

Usain Bolt lesionou-se na qualificação jamaicana e deste modo poderá falhar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que começam a 5 de agosto. O homem mais rápido do mundo apresenta um estiramento na parte posterior da coxa esquerda.

 

Nesta sexta-feira, o bicampeão olímpico abandonou a final dos 100 metros em Kingston, alegando uma lesão. Mais cedo, tinha ganho a sua eliminatória na meia-final, com o tempo de 10s04 (o vencedor da final foi Yohan Blake, com 9s95. Destaque para Asafa Powell, quarto, com 10s03, que não alcançou a sua qualificação para o Rio 2016).

boltlesão

«Após sentir um desconforto na minha coxa na noite de quinta-feira após a primeira eliminatória e agora nas meias-finais, fui examinado pelo responsável médico da federação, que diagnosticou um estiramento de grau 1. Fui submetido a um exame médico que impediu a minha presença na final dos 100m e do que resta das qualificações. Iniciei imediatamente o tratamento e espero estar bem para o London Anniversary Games (Diamond League), a 22 de julho, para conseguir a classificação para o Rio2016», escreveu Bolt, que reclamou da organização da prova, que não deixou os atletas se aquecerem como o esperado.

A federação jamaicana deverá anuncia na próxima quinta-feira se Bolt terá condições de correr no Rio2016. O mundo aguarda com expetativa…

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos