Popular corredor na Argentina morre em plena prova

Um dos corredores anónimos mais populares da Argentina, Cristóbal “Kito” Mamaní, de 77 anos, morreu em plena prova devido a uma paragem cardíaca. Tudo aconteceu nos quilómetros iniciais da Manchao Ultra Trail, na localidade de El Rodeo.

 

Mamaní era um dos corredores mais populares da Argentina, à semelhança do que representava Analice Silva para a corrida em Portugal. Na prova de 15 km da Manchao Ultra Trail, Kito, como era conhecido por todos, sofreu uma paragem cardíaca na zona Los Molles e acabou por falecer, apesar dos cuidados médicos prestados pelo atleta Saúl Seco. A organização adiou de imediato a corrida.

Segundo a imprensa argentina, Mamaní preparou-se com afinco para a Manchao Ultra Trail, já que não a tinha no seu curriculum, um curriculum recheado de provas de estrada e Trail, mas também de duatlo. Devido a sua simpatia e exemplo, Kito era uma referência no país, sendo acarinhado em todas as provas que participava.

14 pessoas desaparecidas na Manchao Ultra Trail

Mas a morte de Cristóbal “Kito” Mamaní não foi a única má notícia da Manchao Ultra Trail, já que 14 pessoas se perderam na prova, sendo encontradas na madrugada de domingo, já desidratadas, com lesões musculares e fadiga.

Segundo o diretor da Defesa Civil, Martín Castelli, os competidores se perderam, «aparentemente, devido a problemas na sinalização do percurso da prova». 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos